Insulto de Materazzi foi muito grave, diz agente de Zidane

O empresário de Zidane, Alain Migliaccio, disse nesta segunda-feira que o jogador francês acertou a cabeçada no peito do zagueiro italiano Marco Materazzi, na final da Copa do Mundo, como reação a um comentário "muito grave" feito pelo adversário. A agressão lhe custou a expulsão, no segundo tempo da partida, que terminou 1 a 1 e acabou com vitória da Itália por 5 a 3 nos pênaltis."Ele afirmou que Materazzi tinha lhe dito algo muito grave, mas não me disse o que foi. Zinedine não quis falar disso, mas tudo será esclarecido na semana que vem", afirmou o agente, que conversou com o jogador apenas nesta segunda-feira, enquanto ele viajava para a França.Migliaccio disse ainda que Zidane estava muito decepcionado e triste, e que não desejava encerrar a carreira daquela forma. Antes, havia marcado o gol da França, de pênalti, e se tornado o quarto homem - ao lado de Vavá, Pelé e Paul Breitner - a fazer gols em duas finais de Copa. Segundo o empresário, o fato de Zidane ter passado a Copa inteira sem dar entrevistas pode ter provocado a reação impulsiva. "Ele é uma pessoa que não fala muito e prefere guardar as coisas. Um dia, acaba explodindo", explicou.Enquanto isso, o grupo "SOS Racismo" pediu à Fifa que investigue o caso, pois tem informações "de fontes muito bem informadas no mundo do futebol" de que Materazzi chamou Zidane de "terrorista sujo". "Levando em conta que o Mundial teve como um de seus lemas a luta contra o racismo, pedimos à Fifa que esclareça a situação, e que as punições previstas pelo regulamento oficial sejam aplicadas", diz a entidade em comunicado oficial.Nos jogos das quartas-de-final, os oito capitães das seleções classificadas leram um texto em suas próprias línguas enaltecendo a necessidade de combater a discriminação racial, dentro do mote escolhido pela Fifa, "Diga não ao racismo". Zidane, que vem de uma família de imigrantes argelinos e capitaneava uma seleção conhecida pela miscigenação racial, foi um desses leitores, no jogo contra o Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.