Fernando Bizerra Jr/EFE
Fernando Bizerra Jr/EFE

'Inteiros', Chile e Colômbia prometem bom futebol na Arena Corinthians

Após pouparem titulares no compromisso anterior, seleções vão duelar por vaga nas semifinais da Copa América

Leandro Silveira, Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2019 | 04h30

Duas seleções “inteiras” vão buscar uma vaga nas semifinais da Copa América, nesta sexta-feira, em São Paulo. Após pouparem titulares na rodada final da primeira fase, Chile e Colômbia colocarão força máxima em campo, com a promessa de “espetáculo”, pelo condicionamento físico e qualidade dos jogadores.

Classificado antecipadamente às quartas de final, o bicampeão Chile poupou Vidal, Beausejour, Isla e Fuenzalida na derrota para o Uruguai. Perdeu a liderança do grupo, a possibilidade de ter um adversário mais fraco pela frente e um dia de descanso. Mas evitou ficar sem eles amanhã, pois estavam pendurados com um cartão amarelo. Os atletas estarão 100% para o jogo com a única equipe que venceu os três jogos da primeira fase.

O condicionamento é fundamental na seleção chilena por dois motivos. O primeiro é o time ter vários veteranos – os quatro poupados possuem mais de 30 anos. O outro é a intensidade exigida por Reinaldo Rueda, que tem como principal arma as jogadas em velocidade. Por isso, perder foi visto como menos importante do que estar 100%.

“Entramos com a mentalidade de defender o título. Temos de seguir fortes, a mente tem de estar focada para que sejamos superiores e avancemos, pensando jogo a jogo. Primeiro é a Colômbia”, disse Fuenzalida.

A Colômbia adotou estratégia parecida em seu último compromisso – a vitória contra o Paraguai por 1 a 0. O técnico Carlos Queiroz, que tem apostado em um jogo mais físico do que tradicionalmente se vê na seleção, poupou vários titulares. O time chegou a São Paulo um dia antes dos chilenos e descansado.

Apenas Cuadrado começou jogando os três triunfos da equipe – ainda assim, o meia da Juventus sempre foi substituído. E, além dele, só James Rodríguez e Barrios participaram dos três compromissos, só que com ambos entrando na etapa final diante dos paraguaios. 

“O técnico pede que o time seja compacto. Atacar e defender muito é sempre a nossa ideia, sem oferecer brechas ao adversário. As distâncias entre as linhas devem ser menores”, disse Davinsón Sánchez, poupado no domingo.

Também descansado após ficar de fora do jogo com o Paraguai, Uribe destaca que a força física será fundamental. “O Chile tem bons jogadores e isso permite uma série de variantes no jogo. Nossa mentalidade é jogar futebol, seja qual for o rival. Então, esperamos dar um bom espetáculo”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.