Cesar Greco/Ag.Palmeiras
Cesar Greco/Ag.Palmeiras

'Inteligente', Palmeiras quer 'os dois pés no chão' na reta final do Brasileirão

Jogadores são unânimes na sentença que define o pensamento palmeirense na busca pelo título

O Estado de S. Paulo

17 Outubro 2016 | 07h00

"Inteligente". Foi assim que o meia Moisés classificou o futebol apresentado pelo Palmeiras após a nona vitória fora de casa no Campeonato Brasileiro. Sem apresentar um futebol vistoso nas últimas partidas, mas superando a pressão e conquistado preciosos pontos na busca pelo título Brasileiro na acirrada briga com o Flamengo pela taça, o time comandado por Cuca quer manter a cabeça no lugar e o mais importante: os dois pés no chão para que o ano termine com a desejada conquista.

 

"Nada como um jogo após o outro, sabíamos da pressão que tínhamos para ganhar aqui, muitos achando que o Palmeiras ia tropeçar. Fizemos um grande jogo, inteligente, respeitando o Figueirense. E vamos firme, não tem nada ganho”, disse o meia alviverde, um dos principais destaques do Alviverde na temporada. 

Mesmo discurso de Jean, herói do Palmeiras contra o Figueirense. O autor dos dois gols que garantiram a vitória foi muito claro e jogou a empolgação para a arquibancada: "O torcedor pode se empolgar, mas nós vamos manter os pés no chão”, disse o jogador. Foi praticamente a mesma frase utilizada pelo zagueiro Vitor Hugo na saída de campo. "Conquistamos uma vitória importante, mas temos de manter os pés no chão porque faltam sete jogos para o fim do campeonato". Fabiano, lateral que ganhou uma oportunidade como titular neste domingo, seguiu a mesma linha: " A gente sabe que a torcida está esperando esse título há anos, mas sabemos que não tem nada ganho. Vamos manter os pés no chão para conquistar o nosso objetivo final".

 

Na próxima quarta-feira, o time poderá deixar um pouco o Campeonato Brasileiro de lado. A equipe recebe em casa o Grêmio, em partida válida pelas quartas de final da Copa do Brasil.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.