Inter de Limeira tem desafio na elite

Em 1986, a Inter de Limeira obteve o maior feito de sua história: foi campeã paulista em cima do Palmeiras em pleno Morumbi (empatou a primeira partida por 0 a 0 e venceu a segunda por 2 a 1). Depois disso, nada mais foi como antes e o time do interior paulista viveu maus momentos. Mas agora já há o que comemorar: a Inter voltará a disputar o Paulistão, em 2005, depois de amargar o rebaixamento no ano passado e ser obrigada a vencer a Série A-2 para reconquistar seu lugar na elite do futebol paulista.Apesar da conquista, não há motivo para muita festa dos torcedores: a Inter entrará na competição preocupada apenas em não voltar para a Segunda Divisão. "O primeiro objetivo é não cair. Se der certo, pretenderemos lutar por uma boa colocação que nos dê o direito de disputar a Série C do Brasileiro em 2005. E o último objetivo e o mais distante é a conquista do título", reconhece o presidente João Junior. O jogo de estréia será disputado dia 19 de janeiro, contra o Palmeiras, no Limeirão.Na opinião do dirigente, a Inter de Limeira terá de lutar com outros cinco clubes contra o rebaixamento: Portuguesa Santista, Mogi-Mirim, União São João, Rio Branco e América, de São José do Rio Preto. "Desses adversários diretos estamos atrás de todos. Eles já estão jogando há bastante tempo e nós ainda estamos montando um time, que será formado por dezoito guerreiros", afirma.A situação é tão desanimadora que João Junior nem valoriza tanto jogos contra grandes clubes, como Palmeiras e Corinthians, que seu time enfrentará em Limeira. "É lógico que seria muito glorioso vencer esses times grandes, mas não reflete o nosso objetivo. Acho melhor nós vencermos os times que estarão fugindo do rebaixamento".Enquanto o campeonato não começa, o objetivo é outro: encontrar um patrocinador. E empresas têm procurado o clube para investir. João Junior não gosta de entrar no assunto enquanto o patrocinador não estiver definido, mas uma empresa automobilística está perto de fechar o acordo. "Está 90% acertado", garante.A parceria ajudaria no pagamento dos salários - a folha de pagamento será de cerca de R$ 200 mil - e viabilizaria a chegada de mais três jogadores que ainda disputam a Série A do Brasileiro: Arílson - aquele mesmo! - e Paulo Diniz, do Grêmio, e Lindomar, da Ponte Preta. Todos já acertaram as bases salariais.Planos - Embora a realidade do clube não seja animadora, a Inter comemora ao menos um planejamento bem elaborado para 2005. Coisa que não aconteceu no ano passado, quando apostou na parceria com um grupo italiano (RI Sports). E se deu mal.Entre as diversas trapalhadas, a pior foi a contratação do técnico italiano Palavicini, impedido de trabalhar após alguma semanas por estar no Brasil com visto de turista.Há 15 dias, o técnico Júlio Espinosa assumiu o time. Ele será o terceiro treinador em seis meses - Pintado foi o campeão da A-2 e Nelsinho, ex-lateral do São Paulo, na Copa FPF. Segundo o técnico, a Inter escapará do rebaixamento com 22 pontos e, com 29, ficará perto de garantir vaga na Série C.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.