AFP
AFP

Inter de Milão anuncia que punirá Icardi, mas deve mantê-lo como capitão

Jogador se envolveu em polêmica com a torcida do clube

Estadão Conteúdo

17 de outubro de 2016 | 14h43

A Inter de Milão se manifestou oficialmente nesta segunda-feira sobre a polêmica envolvendo seu atacante Mauro Icardi. Diante do comportamento do argentino e de seus entreveros com a torcida do clube, a diretoria decidiu puni-lo, mas deve mantê-lo com a braçadeira de capitão.

Em comunicado em seu site oficial, a Inter confirmou que punirá o jogador, sem revelar, no entanto, qual a sanção. A imprensa italiana garante que se tratará de uma pesada multa. Havia a expectativa de que o atacante perdesse a braçadeira, como pedia a torcida, mas ao longo de toda a nota, a diretoria trata Icardi como "o capitão".

"Eu aceitei todas as decisões do clube. Vou tentar ser mais cuidadoso no futuro, algo esperado para alguém com o meu papel no time. Agora, mais unidos do que nunca, podemos nos preparar para os próximos compromissos com o máximo de determinação", declarou o jogador ao clube.

A polêmica ganhou forma com o lançamento da biografia de Icardi, na qual o jogador relata um episódio ocorrido em 2015 após uma derrota para o Sassuolo. Na ocasião, o argentino arremessou sua camiseta para a torcida, que, enfurecida, a jogou de volta para o gramado.

Na biografia, Icardi escreveu que deu sua camisa para uma criança e que o chefe de uma torcida organizada da Inter a arrancou das mãos do jovem. A organizada, no entanto, desmentiu esta versão, chamou o jogador de "palhaço" e o perseguiu com vaias na derrota de domingo para o Cagliari, na qual o atacante inclusive perdeu um pênalti.

"Os últimos dois dias têm sido um período triste da minha vida com a Inter. Ainda assim, em uma família momentos difíceis e desentendimentos acontecem. Tudo aconteceu por uma página do meu livro, provavelmente escrita com pressa. Uma página em que o tom não foi apropriado. Então, sinto muito pelos torcedores que foram atingidos por isso", disse Icardi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.