Inter de Milão encara zebra para encerrar 'ano perfeito'

O Mazembe é a primeira equipe africana a disputar uma final de Mundial de clubes, e eliminou o Inter de Porto Alegre

AE, Agência Estado

18 de dezembro de 2010 | 08h33

A Inter de Milão enfrenta o Mazembe neste sábado, a partir das 15 horas (horário de Brasília), na decisão do Mundial de Clubes, em Abu Dabi, no Emirados Árabes Unidos. Caso confirme o favoritismo e ganhe o título, a equipe italiana encerrará um ano perfeito, que já teve a conquista do Campeonato Italiano, da Copa da Itália e da Liga dos Campeões da Europa - todos no primeiro semestre.

A conquista também seria muito importante parta a permanência do técnico Rafa Benítez. O espanhol, que chegou ao clube em junho, não vive boa fase e passa por um momento de turbulência, graças ao mau desempenho da equipe no Campeonato Italiano, no qual é sétima colocada, e do futebol irregular na Liga dos Campeões, na qual se classificou na segunda colocação do Grupo A, atrás do Tottenham.

Para chegar ao título, no entanto, o time dos brasileiros Julio Cesar, Maicon, Lúcio e Thiago Motta precisará bater a grande zebra da competição. O Mazembe surpreendeu os favoritos Pachuca e Internacional nas fases anteriores e, representando o Congo, é o primeiro africano a disputa a final do Mundial.

Para evitar surpresas, a Inter tratou de estudar bastante o adversário da final. "Nosso treinador esteve no estádio, observou o jogo (contra o Internacional) e vai nos dar uma boa ideia de como a gente tem que entrar para enfrentá-los. O que sabemos é que é um time fisicamente forte, como a maioria dos africanos, e que têm jogadores rápidos. O Rafa vai nos passar tudo e, por isso, não seremos surpreendidos", afirmou o goleiro Julio Cesar.

Mas o clube italiano terá que superar a ausência de um de seus principais jogadores. O meia holandês Wesley Sneijder sofreu uma lesão muscular na coxa esquerda logo no primeiro minuto da vitória por 3 a 0 diante do Seongnam, pela semifinal do Mundial, na última quarta-feira, e está fora da decisão.

Caso conquiste o título, será o terceiro Mundial da história da Inter de Milão. A equipe se sagrou bicampeã em 1964 e 1965, quando o torneio ainda não era organizado pela Fifa, ambas em decisões contra o Independiente, da Argentina.

"É uma grande final e será uma grande oportunidade de levar a Inter de volta ao topo. Nos esforçaremos ao máximo para alcançar a vitória", declarou o experiente lateral-direito argentino Javier Zanetti.

Já o Mazembe acredita que poderá surpreender o mundo novamente e se apoia nas boas atuações do atacante Dioko Kaluyituka, autor do segundo gol da vitória por 2 a 0 sobre o Internacional, pela semifinal, e principalmente do goleiro Kidiaba.

O próprio goleiro, principal destaque diante do Inter, afirmou que o clube congolês estará contando com o apoio de toda a torcida africana na decisão e ressaltou a importância desta final para o futebol do continente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.