Inter faz segredo e relaciona força máxima para clássico com Grêmio

Time treinou com portas fechadas e não definiu escalação

AE, Agência Estado

30 de novembro de 2012 | 15h45

PORTO ALEGRE - Diversos os times que não têm mais pretensões no Campeonato Brasileiro vão aproveitar a última rodada para fazer testes. Mas o péssimo momento do Internacional não dá brecha para experiências e por isso o técnico Osmar Loss relacionou força máxima para o clássico de domingo, contra o Grêmio, no fechamento do Olímpico.

São apenas três desfalques colorados para a partida: o lateral-direito Nei, barrado enquanto negocia a renovação contratual, e os machucados Kléber e Dagoberto. "A equipe está definida, mas ainda estamos traçando a estratégia. Estamos preparados para duas situações. Vamos ver o que o jogo vai nos dizer. A nossa comissão também está fazendo análises e observações do adversário", afirma Loss.

A escalação do time, porém, é uma incógnita, uma vez que a equipe treinou com portões fechados no Beira-Rio nesta sexta-feira. De acordo com a assessoria do clube, uma opção de time tem três volantes, outra três atacantes. No sábado, a última atividade antes do clássico também será fechada à imprensa.

"Precisamos que o time seja combativo, com a cara do Gre-Nal. O nível de entrega e concentração dos jogadores tem que ser maior, pois é um clássico. O jogador se motiva naturalmente neste tipo de partida", comentou Loss, que quer encerrar uma série negativa histórica, de quatro derrotas seguidas sem sequer fazer gols.

Confira os 22 relacionados (quatro serão cortados):

Goleiros: Muriel e Renan;

Zagueiros: Índio, Rodrigo Moledo e Juan;

Laterais: Edson Ratinho, Fabrício e Zé Mário;

Volantes: Guiñazu, Ygor, Elton e Josimar;

Meias: D''Alessandro, Fred, Dátolo, João Paulo e Lucas Lima;

Atacantes: Leandro Damião, Rafael Moura, Forlán, Cassiano e Marcos Aurélio.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolInterBrasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.