Inter quer a revanche contra o Boca

O jogo contra o Boca Juniors, pelas quartas-de-final da Copa Sul-Americana, nesta quarta-feira, no Beira-Rio, tem um gosto de revanche para o Internacional. Eliminado pelo mesmo adversário nas semifinais do ano passado - com derrota por 4 a 2, na Bombonera, e empate por 0 a 0, no Beira-Rio -, o time gaúcho promete usar o aprendizado adquirido naquelas partidas para ser o vencedor neste ano. Os jogadores estão mais experientes, têm mostrado controle dos nervos em situações decisivas no Campeonato Brasileiro e acreditam que podem vencer a marcação implacável, a provocação e a catimba dos argentinos, em Porto Alegre, e suportar a pressão da torcida no segundo jogo, no dia 10 de novembro. O técnico Muricy Ramalho não contará com quatro titulares. O lateral-direito Élder Granja e o zagueiro Wilson estão contundidos. O volante Gavilán está suspenso e o atacante Renteria não foi inscrito na competição. Os substitutos são, respectivamente, Ceará, Ediglê, Edinho e Ricardinho. Para as jogadas ofensivas, Muricy aposta na mobilidade de Tinga, Perdigão e Ricardinho, jogadores capazes de defender e de se juntar aos atacantes Fernandão e Rafael Sobis. Para a defesa, a orientação é cuidar sobretudo das bolas altas que o adversário pode usar nos contra-ataques. Assim como o Internacional, o Boca Juniors também acredita que está melhor que no ano passado. Tevez foi para o Corinthians, mas, em compensação, os sete reforços contratados para este ano levaram o time à liderança do Campeonato Argentino. Um deles, o volante Bataglia, ficou em Buenos Aires, com dores musculares, e será substituído pelo veterano Cagna. O ala Ibarra está contundido e deixa seu lugar para Calvo. Mas a grande preocupação dos colorados é com o meia Gago, tido como a revelação do Boca Juniors e a nova promessa do futebol argentino.

Agencia Estado,

18 de outubro de 2005 | 19h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.