Lucas Figueiredo/ CBF
Lucas Figueiredo/ CBF

Interação entre seleções de base e principal no Chile é por telefone

Ninguém do estafe de Tite está acompanhando a equipe sub-20 no Sul-Americano

Marcio Dolzan, Rio, O Estado de S. Paulo

07 de fevereiro de 2019 | 04h32

Desde o ano passado, a seleção brasileira sub-20 vinha sendo observada mais de perto pela comissão técnica do time principal, tanto que Tite, mais de uma vez, chamou jogadores da base para participarem de treinos com o seu grupo. Isso aconteceu, inclusive, no período pré-Copa do Mundo da Rússia.

No Chile, contudo, a equipe que ocupa a lanterna do hexagonal no Campeonato Sul-Americano não tem empolgado o estafe do selecionado principal. Tite e o coordenador de seleções Edu Gaspar têm conversado por telefone com o técnico Carlos Amadeu, mas é só. Nenhum auxiliar viajou ao país para acompanhar jogos da equipe desde que o torneio começou, em 17 de janeiro. 

Enquanto isso, o auxiliar técnico Sylvinho esteve nesta quarta-feira nas tribunas do Camp Nou para observar o clássico espanhol entre Barcelona e Real Madrid, pela semifinal da Copa do Rei – além desse jogo, ele acompanhará mais sete nos próximos dias. Curiosamente, um dos personagens a serem observados no campo do Barcelona era o atacante Vinicius Junior, com quem Amadeu não pôde contar na seleção devido à recusa do time madrilenho em cedê-lo. 

O próprio Tite, além do auxiliar Cleber Xavier e analistas de desempenho da seleção, tem feito um giro pela Europa para acompanhar partidas in loco.

A falta de uma maior aproximação da cúpula da seleção principal no Sul-Americano é mais um indicativo de que o técnico Carlos Amadeu balança, e muito, no cargo. Escalado desde o ano passado para ser o comandante do Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio – isso, claro, desde que a seleção se classifique –, Amadeu dificilmente permanecerá no posto caso o fracasso se confirme no Chile.

A preocupação menor com a base talvez também tenha relação com o fato de apenas em outubro do ano passado a CBF ter anunciado um coordenador técnico específico para as divisões inferiores: o ex-lateral Branco. Até então, o cargo vinha sendo ocupado desde fevereiro de 2017 por Edu Gaspar, que, por razões óbvias, teve de se dedicar mais ao time profissional no ano passado, em virtude do Mundial da Rússia. Branco ocupou a mesma função entre 2003 e 2007.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.