Interino Márcio Fernandes promete mudanças no Santos

Técnico fez um recreativo com o elenco nesta quarta-feira; domingo estréia contra o São Paulo, na Vila Belmiro

Sanchez Filho - especial para O Estado de S. Paulo,

28 de maio de 2008 | 13h34

"Quem chega tem que mudar alguma coisa", essa é a avaliação do interino Márcio Fernandes, que dirigiu nesta quarta-feira, o treino do Santos, no CT Rei Pelé. Márcio chega para substituir o técnico Emerson Leão, demitido nessa terça, após sofrer uma goleada por 4 a 0 para o Cruzeiro, no Campeonato Brasileiro, e ser eliminado para o América, na Copa Libertadores.   Essa será sua segunda passagem pelo futebol profissional do clube. A primeira delas, foi quando o mesmo Leão havia sido demitido, em 2004, e Wanderley Luxemburgo estava a caminho. Na ocasião ele dirigiu o time nas vitórias contra o Juventude e a LDU.   "Quando o trem passa é preciso pegar. Infelizmente, o que está acontecendo é normal. E quando as oportunidades aparecem e é preciso estar pronto. Espero mostrar minhas qualidades e fazer de tudo para vencer o São Paulo", afirmou Márcio que tem o logo, clássico de domingo, pelo Brasileirão, na Vila Belmiro, como estréia.   Na manhã desta quarta-feira, o treinador, afirmou encontrar um elenco "cabisbaixo, não abatido" e por isso optou por um recreativo para descontrair, ao invés do treino físico que estava programado. Além disso, ele converso bastante com os jogadores e espera motivá-los ao máximo.   Do atual elenco do Santos, alguns atletas já passaram pelas mão de Márcio, nas categorias de base do time. Razão pela qual, admite ter confiança nos jogadores e afirmar que esses terão oportunidades, desde que mostrem o que já mostraram para ganhar sua confiança.   Márcio ganhou oito títulos, em sete anos de clube, cinco deles só em 2007. Entre eles: a Copa Turin, o Campeonato Paulista sub-17 e a Copa Federação Paulista de Futebol. Além de ter treinado o time que teve um bom desempenho na Copa São Paulo do mesmo ano.   EMERSON LEÃO Ainda sobre a demissão do técnico Leão, o goleiro Fábio Costa minimizou qualquer briga que possa ter acontecido e desejou "toda sorte do mundo" ao treinador.   "O grupo está imbuído em reverter essa situação que não é agradável. Faltou equilíbrio ao time nos últimos jogos. Ao contrário do que muita gente diz, ele não tinha problemas com o elenco. Tivemos uma conversa de homem para homem no início do ano e resolvemos tudo", revelou Fábio Costa.   Segundo o goleiro todos os times têm deficiências e o elenco santista tem sua parcela de culpa, assim como, o treinador. Para isso, ele é o otimista com o time e diz que todos vão fazer o máximo para ajudar o técnico no jogo contra o São Paulo.   "Esse jogo pode ser um divisor de águas e é preciso passar um borracha em tudo que aconteceu. Nenhum jogador em momento algum fez corpo mole, muitos são pais de família, se algum momento as coisas não saíram bem, foi culpa dos jogadores e do treinador também", concluiu o goleiro.   Fábio Costa não quis opinar sobre quem deve ser o novo técnico do Santos. Segundo ele, a diretoria tem "competência" para analisar e contratar a pessoa certa.   Nesta quarta-feira, Márcio fará o primeiro treino coletivo com o time, em que irá começar a definir as peças.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.