Jefferson Bernardes/Divulgação
Jefferson Bernardes/Divulgação

Internacional assume o papel de favorito contra o Mazembe

Time brasileiro estreia no Mundial de Clubes nesta terça-feira, às 14 horas, em Abu Dabi

AE, Agência Estado

14 de dezembro de 2010 | 08h02

O Internacional começa nesta terça-feira a caminhada para conquistar o mundo pela segunda vez. O time brasileiro estreia no Mundial de Clubes da Fifa contra o Mazembe, do Congo, às 14 horas (de Brasília, com transmissão do estadão.com.br), no Estádio, em Abu Dabi, disposto a repetir o feito de 2006.

Veja também:

linkConfiante, Benítez comemora volta de Milito na Inter

linkSóbis? Tinga? Rival não conhece ninguém

linkDe vermelho, equipe alerta para perigo do favoritismo

link''Grito o tempo todo, xingo o jogador''

Desta vez, no entanto, o Inter estreia no Mundial sob circunstâncias diferentes de sua primeira participação. Há quatro anos, a equipe gaúcha tinha pouca visibilidade no futebol europeu e encarou o poderoso Barcelona, de Ronaldinho Gaúcho e companhia, com a pecha de "azarão" na final. Surpreendeu ao vencer por 1 a 0 e, a partir dali, ganhou status e reconhecimento.

"Somos hoje um clube visado. Em 2006, não éramos tão conhecidos, mas derrotamos o Barcelona e todos passaram a nos valorizar. É um torneio muito importante para todos no país", reconhece o zagueiro Bolívar, remanescente daquela campanha e que foi o capitão do time no título da Libertadores deste ano, que garantiu a vaga no Mundial.

O Inter cumpriu à risca todo seu planejamento para sua principal competição em 2010. Usou as últimas rodadas do Campeonato Brasileiro para poupar os jogadores mais desgastados e dar ritmo de jogo a quem se recuperava de contusão, como foi o caso do meia Tinga, outro que fez parte da campanha de 2006.

Na opinião do meia Giuliano, considerado o melhor jogador da Libertadores, o Inter resgatou a mesma confiança com que ganhou o título sul-americano. "Temos total consciência de que equipe está muito forte e unida. E, quando isso acontece, dificilmente algo dá errado", disse.

A preparação também consistiu em estudar atentamente os pontos fracos e fortes do adversário. Toda a delegação assistiu à surpreendente vitória do Mazembe por 1 a 0 sobre o favorito Pachuca, do México, nas quartas de final. O atacante Alecsandro chegou a abdicar do discurso politicamente correto e apontou o mapa da mina colorada. "Eles têm uma equipe forte, rápida e que joga um futebol alegre. Mas não gostei da parte tática. Acho que eles marcam um pouco mal."

O Mazembe, por sua vez, vai a campo como franco-atirador, sem pressão por resultado. E o técnico Lamine N''Diaye Bedi acredita os campeões africanos podem aprontar mais uma vez. "Repito toda semana para os meus jogadores que eles simplesmente têm de fazer no jogo o que fazem nos treinos", disse o senegalês. 

MAZEMBE - Kidiaba; Kimwaki, Kasusula, Nkulukuta e Ekanga; Mihayo, Bedi, Kaluyituka e Kanda; Singuluma e Kabangu. Técnico: Lamine N''Diaye.

INTERNACIONAL - Renan; Nei, Índio, Bolívar e Kléber; Wilson Mathias, Guiñazu, Tinga, D''Alecsandro e Rafael Sóbis; Alecsandro. Técnico: Celso Roth.

Árbitro - Bjorn Kuipers (HOL); Horário - 14 horas (de Brasília); TV - Globo, Band, SporTV, Bandsports e Esporte Interativo; Local - Estádio Mohammed bin Zayed, Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos.

Alterado às 12h42 para correção de informação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.