Internacional diz que não vai recorrer se Oliveira atuar

A diretoria do Internacional afirma que não há nada preparado no campo jurídico para o caso de Ricardo Oliveira entrar em campo nesta quarta-feira.?Se ele jogar, é porque tem o aval da CBF e da Conmebol. Não temos que nos preocupar com isso, temos que nos preocupar com o Ricardo Oliveira dentro de campo, já que é um grande jogador?, disse o diretor executivo do Inter, Newton Drummond. ?Não acredito que a gente esteja sendo prejudicado?, emendou.O dirigente lembrou ainda que o problema no caso Ricardo Oliveira se deveu à mudança de datas da Conmebol e nada tinha a ver com o São Paulo. O próprio Inter quase enfrentou um problema semelhante, com Jorge Wagner, que havia sido emprestado pelo CSKA, da Rússia. A diretoria gaúcha, porém, conseguiu a prorrogação do contrato do jogador até dezembro. ?Felizmente, não tínhamos nenhum jogador nessa condição (com contrato para acabar) do Ricardo?, disse Drummond.O discurso do diretor executivo do Inter foi bem mais leve do que o adotado pelo presidente do clube, Fernando Carvalho, na semana passada. Ciente do receio dos dirigentes do Betis em prorrogar o empréstimo do atacante, Carvalho botou lenha na fogueira, aumentando a preocupação dos espanhóis. ?A meu ver, se o Ricardo Oliveira jogar, quem poderá ser punido pela Fifa é o Betis, não o São Paulo?, disse o dirigente, quarta-feira passada. A pressão deu resultado. No dia seguinte, o clube espanhol emitiu um comunicado, afirmando que a prorrogação do empréstimo ?não era possível?.Em entrevista coletiva realizada nesta terça-feira em um hotel de Porto Alegre, o presidente da Conmebol, Nicolas Léoz, admitiu que ajudou diretamente no caso Ricardo Oliveira. ?Entramos em contato com a Federação Espanhola, explicando o problema da mudança de datas?. Segundo Léoz, os jogos foram postergados ?a pedido da televisão.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.