Internacional promete recorrer ao STJD

A direção do Internacional promete recorrer ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) para anular o jogo em que o clube gaúcho foi eliminado da Copa do Brasil, após perder do Paulista por 1 a 0 e na cobrança de pênaltis por 4 a 2. Segundo o diretor Vitório Pífero, a cobrança de penalidades transcorreu de forma irregular. Ele vê muitas razões para isso: "Não vi o juiz e nem o bandeirinha dizer que o jogo tinha acabado, porque eles foram atropelados pela invasão da torcida. As imagens da televisão comprovam que o gol foi legal e que, neste caso, tanto o Paulista como nosso time tinham mais uma penalidade a cobrar. E o resultado poderia ser mudado."O diretor do time gaúcho acha que seu clube pode marcar outro jogo e até citou um caso semelhante de invasão de campo ocorrido há dois anos atrás num jogo final pelo Campeonato Brasileiro da Série B. Na ocasião, em Florianópolis, o Figueirense sagrou-se campeão e a torcida invadiu o campo antes do apito final do juiz paulista Alfredo Loebeling, que inclusive foi eliminado da arbitragem nacional.O presidente do Inter, Fernando Carvalho, tentou manter a tranqüilidade, mas espera que seja feita alguma justiça: "Nós vamos recorrer para buscar nosso direito, que num primeiro momento seria uma nova partida e, num outro momento, a continuidade do jogo ou da cobrança de penalidades. A televisão mostra, tem depoimento do Perdigão e tem depoimento do auxiliar (João Luis Magalhães") confirmando o gol."O meia Perdigão, que cobrou a quarta penalidade para os gaúchos lamentou o ocorrido. "A bola bateu no travessão mas tive a convicção do gol, tanto que sai comemorando". O trio de arbitragem ficou nos vestiários por cerca de 40 minutos, mas comunicou à imprensa de que o resultado das cobranças de penalidades máximas estava confirmado por 4 a 2. Na justiça desportiva, dificilmente o resultado será mudado. Mas o Paulista pode sofrer sanções pela invasão de sua torcida ao gramado do Estádio Jaime Cintra. Há muito tempo não havia um público tão grande e tão entusiasta.Do lado do Paulista, o presidente Eduardo Palhares não vê motivos para outro jogo ou mesmo anular o resultado. "O juiz deu o gol e não e pode mudar um resultado com imagens de televisão". Para o técnico Vágner Mancini, a classificação foi justa "porque n osso time buscou o resultado desde o início". Ele reconheceu as dificuldades e desconsiderou o lance polêmico de pênalti "que nem vi de onde estava".Na saída do estádio, o árbitro deixou bem claro sua visão sobre o lance: ?Nós (ele e o auxiliar) chegamos à conclusão que a bola não entrou totalmente. É isso o que está relatado na súmula. Essa foi nossa impressão no momento?, afirmou Djalma Beltrami Teixeira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.