Invasão de campo no jogo do Brasil surpreende organização

O porta-voz do Comitê Organizador do Mundial, Gerd Graus, reconheceu nesta quarta-feira que o sistema de segurança não funcionou durante a partida entre Brasil e Croácia. Ele não conseguiu explicar como um torcedor conseguiu pular duas valas de proteção, enganar os policiais responsáveis pela segurança e entrar no campo de jogo, no Estádio Olímpico de Berlim."O invasor é um jovem esportista croata que não se mostrou agressivo, mas confesso que nos surpreendeu porque, em primeiro lugar, pulou um fosso de dois metros; depois, superou outra vala e, na sua correria desenfreada, derrubou dois policiais antes de entrar em campo. Foi um fato insólito", admitiu Graus.O jovem croata ficou impedido de entrar em qualquer outro jogo do Mundial. Além disso, o Comitê Organizador apresentou uma queixa criminal contra ele. O regulamento da competição estabelece que, em casos como esse, a punição é uma multa de 1.000 euros.O porta-voz afirmou ainda que houve três outras tentativas de invasão do campo, que foram frustradas pelos seguranças. Com relação às duas tochas que foram acesas nas arquibancadas, durante a partida, Graus também admitiu que se trata de um problema que precisa ser corrigido. "Sabíamos que na Croácia existe o costume de se acender tochas e, nos postos de controle de acesso ao estádio, foram apreendidos 823 objetos pirotécnicos. Mas dois escaparam. Vamos investigar o assunto, revisar os vídeos, tentar encontrar os responsáveis e puni-los", explicou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.