Gilberto Almeida / Agência Estado
Gilberto Almeida / Agência Estado

Investigação aponta lavagem de quase R$ 100 milhões em acordo entre Nike e CBF

Inquérito na Espanha implica Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, e Sandro Rosell, ex-representante da empresa norte-americana no Brasil

Jamil Chade correspondente / Genebra, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2018 | 08h06

Autoridades espanholas suspeitam que Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, e Sandro Rosell, ex-representante da Nike no Brasil e ex-presidente do Barcelona,  estiveram envolvidos em um esquema de lavagem de dinheiro relacionado com os contratos entre a seleção brasileira e a empresa americana, que passou a patrocinar o time da CBF.

+ Teixeira usou rede de empresas para desviar dinheiro, dizem Espanha e Andorra

+ STF envia investigação contra dirigentes da CBF para Justiça do Rio

+ Delator em escândalo de corrupção no futebol, J. Hawilla morre em São Paulo

O caso foi conduzido pela Unidade de Delinquência Econômica e Fiscal, que concluiu que comissões ilegais avaliadas em US$ 26 milhões (R$ 97 milhões) foram pagas a Rosell por ter mediado o contrato entre a CBF e a Nike. Do valor total recebido pelo ex-dirigente catalão, hoje preso, Teixeira teria ficado com US$ 5 milhões (R$ 18,7 milhões).

Segundo o jornal espanhol El Confidencial, o contrato que gerou a propina seria de 6 de novembro de 2008 e estaria em vigor até 2011. O fim do acordo coincide, segundo a publicação, com a entrada de Rosell na presidência do Barcelona e sua necessidade de se desfazer de contratos anteriores que pudessem representar um conflito de interesse. 

Para receber o pagamento, Rosell teria usado a empresa Ailanto Marketing, criada no Brasil e alvo de investigações por parte das autoridades brasileiras. 

Diante da juíza espanhola Carmen Lamela, Rosell explicou na segunda-feira que o envio de US$ 5 milhões (R$18,7 milhões) a Teixeira era uma forma de anular um empréstimo que o brasileiro lhe teria feito. 

Mas os investigadores suspeitam que Teixeira tenha usado Rosell como instrumento para lavagem de dinheiro. Um indício disso era que os recursos passaram por vários paraísos fiscais e diversas contas de empresas offshore. Na avaliação dos investigadores, isso seria um sinal de houve uma tentativa de impedir que o percurso do dinheiro fosse facilmente identificado.

Nos EUA, o FBI avalia a Nike por suspeitas de suborno em relação ao Brasil e o contrato avaliado em US$ 160 milhões (R$ 600 milhões ) com a seleção brasileira. Ricardo Teixeira é suspeito de ter dividido com o empresário José Hawilla uma propina de US$ 30 milhões (R$ 120 milhões) por terem fechado um acordo com a empresa americana em 1996, dando a ela exclusividade para explorar a seleção.

Nos documentos oficiais do próprio Departamento de Justiça dos EUA, a CBF havia fechado um acordo milionário com a empresa americana que previa um pagamento extra em uma conta na Suíça de US$ 40 milhões (R$ 150 milhões) para a Traffic. Depois de fechar o acordo com a Nike, entre 1996 e 1999 Hawilla emitiria notas por serviços supostamente prestados no valor de US$ 30 milhões (R$ 120 milhões) para a Nike que, em troca, o fazia os depósitos.

Para a Justiça americana, esse valor se refere a "propinas e subornos" que o chefe da CBF e o empresário brasileiro receberam da empresa. Numa nota à imprensa a Nike indicou que está "comprometida em cooperar com qualquer investigação governamental relacionada com a Fifa".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.