Eduardo Verdugo/AP
Eduardo Verdugo/AP

Investigação de Rafa Márquez ameaça euforia do México na Copa do Mundo

Experiente zagueiro é investigado pelos EUA sobre colaboração na lavagem de dinheiro do tráfico de drogas

Gonçalo Junior, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

22 Junho 2018 | 18h14

Uma investigação policial freou a euforia mexicana após a vitória histórica sobre a Alemanha e comprometeu parte da preparação da equipe para o jogo deste sábado, contra a Coreia do Sul. Investigado pelo Departamento do Tesouro dos Estados Unidos sobre colaboração na lavagem de dinheiro do tráfico de drogas, o zagueiro Rafa Márquez, um dos líderes da equipe, vem sendo boicotado por três patrocinadoras da seleção.

+ Osorio diz que o México não vai se acomodar depois da vitória sobre a Alemanha

+ México chega a Rostov preocupado com Coreia do Sul e com os gritos de sua torcida

Com isso, ele usa um uniforme "limpo", sem marcas, diferente do restante do grupo, e não pode beber a mesma água dos companheiros para não exibir as marcas dos patrocinadores. Rafa Márquez é acusado de abrir empresas nos Estados Unidos para movimentar dinheiro do narcotráfico.

Esse boicote poderá ter influência até em suas atuações. A cervejaria que patrocina o prêmio de melhor jogador de cada partida pediu para que o nome de Márquez fosse evitado em eventuais escolhas. O zagueiro também está proibido de dar entrevistas no banner oficial da Copa. Por fim, Rafa não receberá a premiação por participação no Mundial - cerca de 1,5 milhão de euros (cerca de R$ 6,5 milhões) por equipe -, pois o banco que repassa os prêmios é dos Estados Unidos.

Rafa Márquez tem história na seleção mexicana. Na Rússia, ele se tornou o primeiro atleta a ser capitão em cinco Copas (2002, 2006, 2010, 2014 e 2018). Na vitória sobre a Alemanha, ele entrou no segundo tempo no lugar de Guardado. O técnico Juan Carlos Osorio evitou o tema na entrevista coletiva desta sexta-feira, mas passou boa parte da semana tentando impedir que o assunto comprometesse o bom ambiente mexicano.

 

O ex-treinador do São Paulo quer manter o alto astral da estreia para alcançar a classificação. "Nesta semana entendemos nossa responsabilidade, que são as grandes expectativas que as pessoas têm sobre nós. A Coreia é um grande adversário. O treinador tem muita experiência. Será um jogo difícil", afirmou Osorio.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.