Paulo Negreiros/Embratur
Paulo Negreiros/Embratur

Investigação no Paraguai não muda cargo de Ronaldinho Gaúcho como Embaixador do Turismo

Embratur informa que 'trabalho desenvolvido é totalmente voluntário' e não há ônus para o Instituto

Guilherme Amaro, O Estado de S.Paulo

05 de março de 2020 | 19h15

A investigação no Paraguai sobre possível uso de documentos falsos não muda o cargo de Ronaldinho Gaúcho como Embaixador do Turismo do Brasil. Ele foi nomeado no dia 5 de setembro do ano passado pela Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), órgão ligado ao Ministério do Turismo do governo do presidente Jair Bolsonaro

Questionada pelo Estado, a Embratur afirmou que a investigação no Paraguai é algo pessoal de Ronaldinho Gaúcho. O Instituto ainda lembrou que o cargo de Embaixador do Turismo do Brasil é voluntário. 

"A Embratur informa que a investigação realizada pelas autoridades paraguaias com relação a Ronaldinho Gaúcho se trata de uma questão pessoal. A Agência não compactua com nenhuma ação que esteja em desacordo com as leis do Brasil ou de qualquer país.

A indicação do ex-jogador como Embaixador do Turismo do Brasil é simbólica, honorária, e o trabalho desenvolvido é totalmente voluntário, sem ônus para a Embratur, que segue promovendo o turismo brasileiro no exterior por meio de campanhas e ações promocionais", informou a Embratur em nota enviada ao Estado. Além de Ronaldinho Gaúcho, outras celebridades foram nomeadas para fomentar o turismo internacional do Brasil, como o mestre de jiu-jitsu Renzo Gracie, o cantor Amado Batista e a dupla sertaneja Bruno e Marrone.

Ronaldinho Gaúcho e seu irmão Roberto de Assis Moreira ficarão à disposição da Justiça do Paraguai por tempo indeterminado, segundo informou nesta quinta-feira o promotor Federico Delfino, responsável pela investigação contra os dois ex-jogadores por porte de documentos falsos.

O astro do futebol e o irmão, que gerencia sua carreira, foram detidos na quarta-feira e passaram a noite sob custódia das autoridades paraguaias após operação policial realizada na suíte presidencial do Hotel Resort Yacht y Golf Club, em Lambaré, vizinho a Assunção. Os brasileiros entraram no país com passaportes autênticos, mas com conteúdos falsos.

Ronaldinho Gaúcho afirmou, em depoimento, segundo o promotor, que identidades e passaportes foram "presentes" de uma pessoa que o convidou para visitar o Paraguai. Na noite de quarta, o brasileiro Wilmondes Sousa foi detido no mesmo hotel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.