Reprodução
Reprodução

Investigação sobre manipulação prende mais de 50 na Itália

Terceira e quarta divisão do futebol do país teriam sido afetadas

Estadão Conteúdo

19 de maio de 2015 | 09h37

Mais de 50 pessoas foram detidas em toda a Itália nesta terça-feira e mais de 70 foram colocadas sob investigação como parte de uma ampla investigação sobre manipulação de resultados, conduzida por procuradores antimáfia da cidade de Catanzaro, no sul do país.

A investigação envolve "dezenas" de partidas manipuladas na terceira e quarta divisões do futebol italiano, disse a polícia. As acusações incluem associação criminosa destinada a fraude esportiva, com ligações com organizações mafiosas, especialmente com a 'Ndrangheta.

A apuração mostra "como as ramificações da `Ndrangheta atingiram um elevado nível, não só nos domínios clássicos onde gangues criminosas operam, mas também no mundo dos esportes", disse o investigador antimáfia Renato Cortese, em uma entrevista coletiva para detalhar a operação "Futebol Sujo".

Os envolvidos "estavam conspirando para estender a manipulação para a segunda divisão e jogos maiores", disse o procurador de Catanzaro, Vincenzo Antonio Lombardo. Os procuradores disseram que descobriram uma rede que envolve jogadores, treinadores, presidentes e dirigentes de mais de 30 clubes. Um policial estava envolvido, segundo as autoridades.

As autoridades declararam que a rede também tinha laços na Sérvia, Eslovênia, Malta, Turquia e Casaquistão. A polícia disse que os clubes envolvidos incluem Pro Patria, Barletta, Brindisi, L''Aquila, Neapolis Mugnano, Torres, Vigor-Lametia, Santarcangelo, Sorrento, Montalto, Puteolana, Akragas e San Severo.

Provavelmente em situações como essas é preciso haver um melhor controle das ligas", disse o presidente da Associação de Treinadores Italianos, Renzo Ulivieri, à Gazzetta dello Sport, principal jornal esportivo italiano. "Se este for o caso, nós estamos enfrentando uma emergência absoluta".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.