Inzaghi festeja gol na primeira chance recebida de Lippi

O atacante italiano Filippo Inzaghi, autor do segundo gol na vitória desta quinta-feira sobre a República Checa, afirmou que se sentiu mais feliz com a comemoração do que com o próprio gol, seu primeiro em Copas do Mundo. "O mais importante foi perceber a estima que meus companheiros e o técnico têm por mim, isso vai além do gol", disse o jogador do Milan, que ainda não havia tido nenhuma oportunidade de jogar no Mundial, e reclamava nos bastidores do técnico Marcelo Lippi.Inzaghi, que joga no Milan, foi convocado na reta final de preparação, ficou de fora da seleção por quase dois anos por causa de seguidas lesões. Mas acabou se tornando a última opção no ataque, atrás dos titulares Toni e Gilardino e dos meias Del Piero e Totti, que podem atuar mais avançados - foi o caso de Totti nesta quinta-feira, quando Gilardino, que deu lugar a Inzaghi, foi o único atacante fixo. "Espero sempre a chance de jogar, mas minha filosofia é aceitar a decisão do treinador", declarou.O técnico Marcelo Lippi enalteceu a força coletiva a seleção italiana. "Esse time teve espírito de luta como nunca vi antes em equipe alguma", afirmou, lembrando que sua equipe venceu dois rivais fortes, como República Checa e Gana. "Merecemos a classificação." Lippi tentou evitar os elogios individuais, mas abriu uma exceção ao goleiro Gianluigi Buffon, que fez oito defesas em chutes checos, a maioria de fora da área. "Ele foi muito bem", admitiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.