Irã proíbe mulheres de ir ao estádio

As iranianas adoram futebol e curtem sair às ruas para festejar vitórias de sua seleção. Mas não terão o prazer de ver ao vivo as peripécias dos bravos rapazes, no amistoso de sexta-feira, em Teerã, contra a Alemanha. As autoridades locais determinaram que as moças que só poderão acompanhar a partida pela televisão ou pelo rádio. No estádio, nem pensar.A proibição, garantem os guardiães dos bons costumes, é uma forma de resguardar a integridade física e moral das mulheres. Nas arquibancadas, imaginam, elas correm risco de sofrer assédio e ouvir expressões indesejáveis. Por isso, o mais sensato é evitar esse tipo de contato.Há exceções. Segundo o porta-voz da Federação Iraniana de Futebol, Shahram Vaziri, as alemãs que trabalham na embaixada podem aplaudir seus patrícios no estádio. Mas devem ficar em áreas restritas, provavelmente em camarotes.Essa brecha não teve aprovação geral. Articulista do jornal Jomhuri-ye Eslami, de linha mais ortodoxa, torceu o nariz para o relaxamento da proibição. "Eis um pretexto para levar mulheres e meninas para os estádios", escreveu, em tom de advertência.Desde a Revolução Islâmica, em 1979, em muitos esportes está vetada a presença de mulheres nos locais dos confrontos. Alguns só podem ser praticados pelas moças em recintos exclusivamente femininos.

Agencia Estado,

07 de outubro de 2004 | 09h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.