Irênio: o brasileiro do Tigres

O São Paulo que se cuide. O meia Irênio, um dos principais jogadores do Tigres, está eufórico para marcar um gol nesta quarta-feira, no Morumbi. Será uma homenagem aos 60 anos de sua mãe, dona Edilene, aniversariante do dia. "Se Deus quiser vou dar este presente para ela", acredita o jogador, que já teve passagens por América-MG, Atlético-MG e Lusa. "E ela estará lá (em Carangola-MG) torcendo por mim." Com o duelo de volta marcado para dia 15 apenas, Irênio pedirá folga até domingo. Para matar a saudade dos pais e do filho, João Pedro, de 3 anos. Mas nada de voltar ao Brasil. "Não penso em voltar agora", afirma o camisa 8, de 30 anos. "Lá me tratam bem, o estádio está sempre lotado, o salário é bom e quase sempre recebemos adiantado." O meia ganha 7 vezes mais do que recebia quando atuava em equipes brasileiras. Além disso, não sofre pressão por resultados. A aventura de Irênio começou em 2000. Após um desentendimento com o técnico Candinho, na Lusa, aceitou a proposta dos mexicanos, amantes de jogadores canarinhos. Meia habilidoso, exímio cobrador de faltas, não demorou muito a tornar-se ídolo no Tigres, ao qual já defende por 4 anos e meio. Soares, como é chamado por muitos em Monterrey, já trata de sua renovação de contrato. O atual vínculo vence no dia 15. Por mais 3 ou 4 anos. "Estou num lugar maravilhoso, no qual adoro sair para jantar, ir à shoppings. E em viagem de 1 hora e 40 minutos estou em Cancún", afirma, entusiasmado com a beleza do local. "Que maravilha. E adoro quando fazemos a pré-temporada lá." A irmã Rita e a namorada Fernanda são seus anjos da guarda para quando bate a saudade. Fazer gols no Morumbi é ordem do técnico do Tigres, Leonardo Alvarez, que não se preocupa com resultado e sim em dar espetáculo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.