AFP
AFP

Irmão confirma que Ricardo Goulart pretende defender o Palmeiras

Jogador do Guangzhou Evergrande é o sonho de consumo do alviverde para a próxima temporada

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de dezembro de 2018 | 17h51

Passando as férias no Brasil, o volante Juninho, do Los Angeles Galaxy (EUA), confirmou que o irmão Ricardo Goulart tem interesse em defender o Palmeiras a partir de 2019. Bicampeão brasileiro pelo Cruzeiro em 2013 e 2014, Goulart é destaque no Guangzhou Evergrande (China) e é o grande sonho de consumo da diretoria alviverde para o próximo ano.

“Existe interesse, sim, em jogar no Palmeiras, de voltar ao Brasil, mas o Ricardo ainda não sabe o futuro, não decidiu nada. Nós, familiares, gostaríamos de tê-lo um pouco mais perto, mas depende pouco dele”, disse Juninho em entrevista ao globoesporte.com. 

Ele também admitiu que o fato de o irmão ter se recuperado de uma artroscopia no joelho direito usando o CT do clube pode facilitar uma eventual transferência. “Ele tratou no Palmeiras, como todo mundo sabe. O Felipão e o Alexandre Mattos já conhecem o Ricardo e sabem o que ele pode proporcionar”, completou. Enquanto o treinador comandou o meia-atacante no Guangzhou entre 2015 e 2017, Mattos trabalhou com Goulart nos tempos de Cruzeiro, quando era diretor de futebol.

Com contrato até janeiro de 2020 com os chineses e multa rescisória estipulada em 30 milhões de euros, o ex-cruzeirense pode chegar ao Palmeiras por empréstimo. A ideia é convencer o Guangzhou a liberá-lo por uma temporada e, em troca, Goulart poderia renovar seu contrato com o time pelo mesmo período. A extensão do vínculo afastaria o risco de perdê-lo de graça, daqui a um ano.

O presidente do Palmeiras, Maurício Galiotte, admitiu que a contratação pode ocorrer via empréstimo. “Para o futebol brasileiro, comprar um atleta que está na China é quase impossível. Talvez por empréstimo a gente consiga fazer”, afirmou em entrevista ao Fox Sports, veiculada no último dia 25.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.