Irmãos disputam título no Rio e em SP

A modesta família Juliani, da pacata Santa Rita do Passa Quatro, no interior de São Paulo, participa das duas principais decisões estaduais do País a partir deste domingo. O zagueiro Rogério, de 24 anos, defende o Botafogo de Ribeirão Preto na final paulista contra o Corinthians, e seu irmão mais velho, Rodrigo, de 27, é reserva do Flamengo na briga contra o Vasco pelo título carioca. Ambos lutam para reverter a desvantagem dos adversários e entrar para a história da cidade natal, que já revelou os Esídio - Nílson (que chegou à seleção brasileira) e seus primos Odair (no Santo André) e Zé Eduardo (que atua no futebol peruano e ficou famoso por ser portador do vírus HIV)."É um orgulho para minha família, mas o duro é ver meus pais, que sempre nos apoiaram, com um olho aqui e outro no Rio", diz Rogério. Os pais dos irmãos jogadores - o funcionário público Fernando e a professora Maria Célia - já estão no Rio, mas o zagueiro não sabe se eles estarão no Maracanã. "Talvez fiquem em casa vendo os jogos pela televisão."A perspectiva de Rogério e Rodrigo conquistarem os títulos estaduais é grande. "O Flamengo é um grande time e o Botafogo é forte em casa. Serão jogos difíceis, mas temos de acreditar sempre", analisa Rogério.Os irmãos começaram a carreira em Ribeirão Preto, separados pela idade, mas atuaram juntos pelo Botafogo em 1999, na Série A2.Os dois não são os únicos jogadores da família Juliani. O caçula Rafael, de 18 anos, é zagueiro do time júnior do Guarani. "Espero que ele tenha logo uma chance no time principal", diz Rogério, um dos líderes botafoguenses e capitão até sair por contusão.A torcida pelo sucesso de Rodrigo é evidente, mas, no estádio Santa Cruz, Rogério afirma que só pensará no Corinthians. "O mesmo vai ocorrer com ele, que só pensará no Vasco."Se conquistarem os títulos, talvez façam parar Santa Rita do Passa Quatro, que faz aniversário na próxima terça-feira. Aí, a música Tico-Tico no Fubá, do compositor Zequinha de Abreu, conterrâneo dos Juliani, conduziria a festa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.