Hassan Ammar / AP
Hassan Ammar / AP

Chelsea estreia no Mundial sem técnico e liderado por Thiago Silva para evitar nova decepção

Equipe inglesa enfrenta o Al Hilal, da Arábia Saudita, nesta quarta-feira, na definição do adversário do Palmeiras na decisão

Felipe Rosa Mendes, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2022 | 05h00

Os campeões europeus costumam chegar ao Mundial de Clubes da Fifa com incontestável favoritismo. Não é o caso do Chelsea neste ano. O time inglês faz temporada irregular na Europa, fez apresentações abaixo do esperado nas últimas semanas e, para piorar, não terá seu técnico em sua estreia no torneio internacional, contra o Al Hilal, da Arábia Saudita, às 13h30 (de Brasília) desta quarta-feira, em Abu Dabi.

O confronto é válido pela semifinal do Mundial, disputado nos Emirados Árabes Unidos. Se confirmar o favoritismo sobre o adversário da Arábia Saudita, o Chelsea vai encarar outro time paulista numa final. Há 10 anos, foi o Corinthians, seu algoz. Desta vez, será o Palmeiras, que derrotou o Al Ahly por 2 a 0 na outra semifinal. A decisão está marcada para sábado.

Aquela derrota sofrida em 2012, na final realizada na cidade japonesa de Yokohama, ainda está na memória do clube. Único remanescente daquele jogo ainda no elenco do Chelsea, o lateral-direito espanhol Cesar Azpilicueta admite que lembrar daquela decisão ainda dói. "Estou muito motivado. Perder aquele jogo em 2012 doeu muito. E ser campeão mundial pelo clube seria incrível. Tem um grande significado para todo mundo", afirmou.

Antes de sonhar com seu primeiro título mundial, o Chelsea terá pela frente o Al Hilal. Sem maiores problemas na escalação, o time terá sua maior baixa no banco de reservas. O alemão Thomas Tuchel testou positivo para a covid-19 às vésperas da viagem da delegação para Abu Dabi. De Londres, está comandando o time à distância.

"Estamos em contato constante com Thomas. Ele nos liga o tempo todo. Fazemos ligações durante e depois do treino. Estamos tentando fazer como se ele estivesse aqui conosco", disse Zsolt Low, um dos dois auxiliares que estão substituindo Tuchel em Abu Dabi. O outro é Arno Michels. "Mas não podemos copiar o Thomas, ele é um dos melhores técnicos do mundo", enfatiza Low.

Para a estreia, os dois auxiliares terão o retorno do meia Mason Mount, recuperado de problema físico. O lateral-direito Reece James foi vetado e o goleiro Edouard Mendy poderá retomar o posto de titular após participar da conquista da Copa Africana de Nações, pela seleção do Senegal, no domingo.

O destaque do time inglês está na defesa, com a dupla formada por Thiago Silva e pelo alemão Antonio Rüdiger. No meio-campo, Kanté e o brasileiro Jorginho, naturalizado italiano, são as referências. Ainda sem apresentar seu melhor futebol no Chelsea, Lukaku é motivo de preocupação para qualquer defesa. Timo Werner e Pulisic sempre podem surpreender.

Apesar dos talentos individuais, o time londrino não vem funcionando tão bem no coletivo. O Chelsea vem de uma vitória nos últimos cinco jogos pelo Campeonato Inglês. Sua última partida antes de embarcar para Abu Dabi foi o decepcionante triunfo sobre o modesto Plymouth, da terceira divisão, na prorrogação, pela Copa da Inglaterra. A fraca atuação dos ingleses gerou desconfiança para o Mundial.

E os torcedores, principalmente os do Palmeiras, lembraram da inesperada derrota para o Corinthians na final de 2012. O Chelsea é o último campeão europeu a não confirmar o favoritismo no Mundial. Depois do tropeço do time inglês há 10 anos, Bayern de Munique, Real Madrid, Barcelona e Liverpool não vacilaram e levaram o troféu para casa.

Em sua segunda participação em Mundiais, o Chelsea enfrentará um time que pode dar trabalho. O saudita Al Hilal estreou na fase anterior e surpreendeu ao aplicar 6 a 1 no anfitrião Al-Jazira. O campeão asiático está longe de ser badalado, mas conta com jogadores experientes.

O atacante nigeriano teve passagens por Manchester United e Watford, enquanto o meia brasileiro Matheus Pereira já defendeu o West Bromwich, todos do mesmo Campeonato Inglês do Chelsea. Outros destaques são o atacante malinês Moussa Marega (ex-Porto), o meia-atacante peruano André Carrillo (ex-Benfica e Sporting) e o atacante brasileiro Michael, que estava no Flamengo até o mês passado.

FICHA TÉCNICA:

AL HILAL x CHELSEA

AL HILAL - Abdullah Al-Mayouf; Ali Albulayhi, Yasser Alshahrani, Jang Hyunsoo, Saud Abdulhamid; Gustavo Cuellar, Matheus Pereira, Moussa Marega, Mohamed Kanno, Salem Aldawsari; Odion Ighalo. Técnico: Leonardo Jardim.

CHELSEA - Kepa; Azpilicueta, Thiago Silva, Rüdiger, Malang Sarr; Kanté, Jorginho, Kovacic; Ziyech (Mount), Pulisic e Lukalu. Técnico: Zsolt Low (auxiliar).

ÁRBITRO - Cesar Ramos (México).

HORÁRIO - 13h30 (horário de Brasília).

LOCAL - Mohammed Bin Zayed Stadium, em Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.