Irreverente, Anderson Talisca avisa: 'Estou buscando meu espaço'

Irreverente, Anderson Talisca avisa: 'Estou buscando meu espaço'

Jogador foi convocado de última hora após lesão de Lucas e, em grande fase no Benfica, diz não ter tido problemas com adaptação

JAMIL CHADE - Enviado especial a Viena, O Estado de S. Paulo

14 de novembro de 2014 | 10h57

Irreverente, o baiano Anderson Talisca garante que já conquistou o grupo da seleção brasileira. Pelo menos fora de campo. O jogador do Benfica foi convocado pelo treinador Dunga para substituir Lucas, contundido. Mas mesmo estando entre seus próprios ídolos, ele não se intimida e tem resposta para tudo. "Quero estar na Copa de 2018", afirma.

Nesta sexta-feira, a seleção começa em Viena a fase final de treinamentos no ano para o último amistoso do ano, terça-feira, contra a Áustria. Depois de cinco vitórias em cinco jogos e nenhum gol tomado, o clima entre a comissão técnica e os jogadores é bom.

Talisca deixa claro que está na seleção para disputar uma vaga. "Estou buscando meu espaço", declarou. "Minha carreira foi toda muito rápida", contou, lembrando que passou por momentos de dificuldades. "Mas tive apoio". O jogador que saiu do Bahia se mostrou totalmente à vontade com a imprensa e tinha resposta para tudo. Questionado se a fama de "mascarado" era verdadeira, ele brincou. "Já passou", disse.

Ao ser perguntado se sonhava estar em um clube grande, ele também foi rápido. "Eu já estou num time grande", respondeu. Talisca admitiu que sua apresentação ao clube sequer aconteceu. Mas espera que, numa eventual nova transferência, "um batalhão" de jornalistas o estejam aguardando.

Se a adaptação entre o grupo de Dunga é bom, Talisca conta que "nem sentiu" o período de adaptação em Portugal. "Nem parece que saí do Brasil", disse. Mas ele reconhece que o futebol europeu é "bem diferente" do brasileiro. "A intensidade aqui é outra, o ritmo é bem maior. Mas me adaptei bem porque sempre busquei a intensidade", disse.

Em seu "batizado" dentro do grupo de Dunga, Talisca garante que foi "um sucesso". "Contei ainda uma piada e Neymar e outros morreram de rir", disse. Ele também cantou uma música. "Era aquela que diz que as vezes a felicidade demora para chegar", explicou, entoando a melodia.

No seu caso, sua aparição na seleção não demorou para chegar. Falta apenas a primeira oportunidade de entrar em campo. "Todos me aplaudiram", concluiu o confiante Talisca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.