Irritado, Marcos critica zagueiros

Nenhum palmeirense ficou mais irritado com a derrota de 2 a 1 para a Portuguesa do que Marcos. Possesso, o goleirão saiu de campo criticando seus companheiros, principalmente os jogadores de defesa. "Entregamos a rapadura", ironizou. Na hora de disparar sua metralhadora verbal, Marcos só tomou cuidado para não citar nomes. "A gente tem esse dom de achar que vai ganhar fácil sempre, mas as coisas não são assim. Tem que ter ?pegada?. Não pode ficar só cercando. Se for para marcar com os olhos, eu também marco". Marcos chegou a dizer até que já esperava pela derrota. Ele lembrou o péssimo retrospecto do Palmeiras em jogos com times que brigam para não cair. Ano passado, quando ainda sonhava com o título brasileiro, o Verdão conseguiu a façanha de perder para Guarani e Flamengo em pleno Palestra Itália. "Para todo time que vem jogar aqui em situação difícil a gente dá uma mãozinha", ironizou o goleiro, que emendou: "É aquela máxima do futebol: se você não respeita o adversário..." Marcos criticou também os inúmeros erros de finalização dos atacantes palmeirenses. "O goleiro deles, o Gléguer, fez grandes defesas, mas o gol é grande, né? Por mais que ele fosse bem, sobra espaço". Ainda de acordo com Marcos, "o problema não é que o time estava acomodado. O time estava era inocente. Erramos em coisas básicas. Não podemos deixar que os caras venham carregando a bola até o nosso gol.Tem que fazer uma ?faltinha?, cortar o contra-ataque". O último comentário do goleiro foi uma alfinetada naqueles jogadores que fazem a festa com os microfones após as vitórias, mas se escondem nas derrotas. "Quando o time ganha, todo mundo quer dar entrevista. Quando perde, só eu fico para dar explicações". Com a derrota de hoje, acabou o sonho de uma reação espetacular do Palmeiras no Campeonato Paulista. Os próprios atletas já jogaram a toalha. "Acho que no Paulista não dá mais. Temos que pensar agora só na Libertadores", disse o meia Cristian. O próximo jogo do Palmeiras pelo torneio continental é quarta-feira, contra o Santo André, também no Parque Antártica. Os ingressos já estão à venda. Pensando numa eventual classificação do time para a segunda fase da Libertadores, a diretoria corre atrás de reforços. Para a zaga, o nome cotado continua sendo o do paraguaio Gamarra, da Inter de Milão, da Itália. Ele tem contrato até junho e a diretoria palmeirense tenta obter sua liberação. E para o meio-de-campo, o nome de Juninho Paulista voltou a ganhar força. Em janeiro, ele já esteve próximo de ser contratado. E segundo pessoas ligadas à diretoria, o meia, que está no Celtic, da Escócia, agora teria até acertado salários com o Palmeiras. O gerente de futebol Ílton José da Costa nega. Mas admite que Juninho pode chegar para a segunda fase da Libertadores, em abril. "É um nome que nos interessa e muito". O técnico Candinho também está torcendo para que Juninho seja contratado. Ele gosta muito do futebol do jogador. Tanto que quando assumiu a Seleção Brasileira interinamente, num jogo contra a Venezuela, em 2000, escalou-o como titular. "O Juninho é um baita jogador. Quem não quer ele no seu time? Tomara que dê tudo certo", disse Candinho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.