EFE
EFE

Islândia acredita que condição de azarão ajuda equipe na Euro

'Não temos a pressão do mundo para vencer', disse um dos técnicos

Estadão Conteúdo

29 de junho de 2016 | 12h10

Os jogadores da Islândia vão entrar para o jogo de domingo com a França, pelas quartas de final da Eurocopa, com exatamente a mesma abordagem que tiveram quando eliminaram a Inglaterra: eles não têm nada a perder. Afinal, foi assim que a equipe venceu os ingleses por 2 a 1, em uma das maiores surpresas da história da competição.

"A pressão estava sempre muito mais sobre a Inglaterra. Este era um jogo que eles não poderiam perder e isso teve um efeito grande", disse Heimir Hallgrimsson, um dos técnicos da Islândia. "Eles meio que zombavam de nós um pouco antes do jogo. Este foi um jogo que nós não tínhamos como perder, nós já tínhamos vencido com nossos torcedores".

Hallgrimsson acredita que a situação vai ser a mesma no próximo domingo, no Stade de France. "Nós podemos ir relaxados, podemos mostrar o nosso melhor. Não temos a pressão do mundo de que temos de ganhar o jogo", disse.

A França nunca perdeu para a Islândia, um país de 330 mil habitantes, em 11 partidas realizadas. E essa é uma estatística que pode fazer muitos dos seus torcedores acreditarem que a sua seleção já está classificada às semifinais.

"Ninguém esperava isso e acho que talvez o mais difícil seja lidar com as expectativas", disse Lars Lagerback, o outro treinador da equipe. "É sempre um benefício para ser a zebra. A França, é claro, tem realmente altas expectativas, como tinham na Inglaterra".

Ambos os treinadores sabem que a Islândia enfrentará um enorme desafio contra uma equipe com mais capacidade técnica e que lutará até o último instante. "Eles têm muita posse de bola", disse Hallgrimsson. "Eles cansam os adversários, por isso eles marcam gols importantes no final dos jogos. Nós vamos ter que nos manter muito focados e concentrados no jogo inteiro, não apenas 90 minutos, mas 94 ou 95", acrescentou.

Hallgrimsson, que também trabalha em um consultório dentário, comparou a Islândia com o Leicester, que conquistou de modo surpreendente o título inglês na última temporada. "Eles jogaram com seus pontos fortes e nós estamos tentando fazer o mesmo. Há o mesmo espírito de equipe em ambas os times. Estamos dispostos a trabalhar um para o outro e essa é a única maneira para a nossa equipe", afirmou. destacando que quase todos os jogadores franceses disputam a Liga dos Campeões. "Na qualidade individual, você pode ver que eles são superiores. Então nós temos que jogar coletivamente e trabalhar juntos para compensar isso".

Em uma resposta às afirmações de que a derrota foi a pior da história da Inglaterra, Lagerback destacou os pontos fortes da sua equipe. "Temos demonstrado nas partidas que temos muita organização, somos difíceis de sermos batidos", afirmou. "Os jogadores da nossa equipe merecem muito crédito pela maneira como estão encarando os jogos. Mas eu não me importo. Temos nossa análise do jogo, sabemos o que fizemos bem e sabemos o que podemos melhorar".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.