Montagem/Estadão
Montagem/Estadão

Itália e Uruguai querem muito o 3.º lugar da Copa das Confederações

Após bom desempenho nas semifinais, seleções buscam ganhar moral para Eliminatórias

PAULO FAVERO - Enviado Especial - VITOR VILLAR - Seleção universitária, O Estado de S. Paulo

29 de junho de 2013 | 22h46

SALVADOR - A disputa do 3.º lugar na Copa das Confederações não é o maior dos estímulos, mas tanto Uruguai quanto Itália querem mostrar que o trabalho visando à Copa de 2014 está no caminho certo. As duas seleções se enfrentam neste domingo, na Fonte Nova, em Salvador, para manter o embalo obtido na disputa do torneio no Brasil.

 

A Itália lidera o Grupo B das Eliminatórias Europeias, com quatro pontos de vantagem sobre a Bulgária, e tem tudo para carimbar o passaporte para o Mundial. Já a Celeste está em situação mais delicada nas Eliminatórias Sul-Americanas, mas com a vitória fora de casa sobre a Venezuela a equipe foi para o quinto lugar e deixou de respirar por aparelhos.

 

Agora, a Copa das Confederações dá um estímulo maior para as duas equipes, que fizeram boas campanhas e quase chegaram à decisão. O Uruguai fez o Brasil sofrer, perdeu um pênalti e acabou derrotado por 2 a 1 na semifinal. A Itália, por sua vez, brecou a favorita Espanha e só foi cair na disputa de pênaltis. Por tudo isso, o terceiro lugar virou o prêmio de consolação para duas equipes que apostam no crescimento nos próximos meses.

 

No lado italiano, o técnico Cesare Prandelli sabe das dificuldades e deve colocar em campo uma equipe mista, com atletas que estão mais descansados para encarar o calor de um jogo que será realizado às 13h na capital baiana. O zagueiro Bonucci, único a perder uma cobrança de pênalti diante da Espanha, tentará se redimir perante sua torcida.

 

FORÇA 

Bonucci espera que a Itália continue mostrando sua força, já de olho em 2014. "Contra a Espanha nós vimos uma ótima Itália, colocamos a campeã do mundo em dificuldades e até poderíamos ter conquistado a vitória. Foi um jogo importante para o Mundial do próximo ano", conta. Hoje, contra o Uruguai, ele terá a missão de brecar uma das principais estrelas ofensivas da atualidade: Luis Suárez.

 

Aos 26 anos, Suárez já alcançou o status de protagonista da seleção uruguaia. Na Celeste desde 2007, o atacante foi um dos destaques da equipe na campanha do quarto lugar na Copa do Mundo de 2010. No ano seguinte, "Luisito", como é conhecido entre os companheiros, foi eleito o melhor jogador na conquista da Copa América, encerrando um jejum de 16 anos sem títulos da seleção.

 

ARTILHARIA 

Para completar, ele se tornou, no último domingo, diante do Taiti, o maior artilheiro da história do Uruguai. São 35 gols marcados, passando os 34 do seu companheiro de ataque, Diego Forlán. Com o feito, Luisito deixou para trás nomes como Héctor Scarone – bicampeão olímpico pela Celeste e campeão do mundo em 1930 –, com 31 gols, e Óscar Míguez - campeão mundial em 1950 –, com 27.

 

Marca que Suárez pode aumentar neste domingo. Diante da importância do jogo, o atacante não se preocupa em se manter como maior artilheiro da equipe. "Ser o goleador histórico não tem nada a ver agora, não estou pensando nisso neste momento. Ainda tenho muitos anos de seleção", lembra o atacante, oito anos mais novo do que seu principal concorrente pela marca, Diego Forlán.

 

Na disputa, a Itália não poderá contar com o seu também craque, bad boy e artilheiro, Mario Balotelli. Suárez lamenta a ausência do rival, mas entende que a Azzurra não deixará de ser um adversário perigoso por causa disso. "Todos sabem que Balotelli é um grande jogador, mas eles mostraram contra a Espanha que podem jogar muito bem sem ele. A Itália quase chegou à final, foram até os pênaltis contra a seleção que melhor joga o futebol atualmente", lembra o uruguaio, que defende o Liverpool, da Inglaterra.

 

URUGUAI X ITÁLIA

 

URUGUAI - Muslera; Maxi Pereira, Lugano, Godín e Cáceres; Arévalo Ríos, Cristian Rodríguez e Alvaro González; Luis Suárez, Cavani e Forlan. Técnico - Oscar Tabárez.

 

ITÁLIA - Marchetti; Maggio, Bonucci, Astori e De Sciglio; Aquilani, Candreva e Montolivo; Cerci, Gilardino e El Shaarawy. Técnico - Cesare Prandelli.

 

ÁRBITRO - Djamel Haimoudi (ALG)

 

LOCAL - Fonte Nova

 

HORÁRIO - 13 horas

 

TRANSMISSÃO - Globo, Band e SporTV

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.