Justin Tallis/AFP
Justin Tallis/AFP

Itália elimina a Espanha nos pênaltis e vai disputar a final da Eurocopa

Jorginho, brasileiro naturalizado italiano, converte penalidade decisiva e põe a Azzurra na decisão

Redação, Estadão Conteúdo

06 de julho de 2021 | 18h56

A Itália está na final da Eurocopa. O time do técnico Roberto Mancini venceu a Espanha, nesta terça-feira, em Wembley, nos pênaltis, por 4 a 2, após empate no tempo normal por 1 a 1 e 0 a 0 na prorrogação. O adversário dos italianos na final sai no confronto desta quarta-feira entre Inglaterra e Dinamarca, também em Wembley, às 16 (horário de Brasília). O pênalti decisivo foi convertido pelo brasileiro naturalizado italiano Jorginho.

A Itália começou tentando impor uma marcação forte e ficar no campo de ataque. Barella acertou a trave de Simón em um lance impugnado pela posição de impedimento. Mas com o passar do tempo a Espanha retomou a bola e passou a dominar a partida.

Mesmo com a forte zaga italiana, os espanhóis encontraram espaço para levar perigo è meta de Donnarumma. Oyarzabal teve duas oportunidades, mas não teve sucesso.

A Itália só conseguiu respirar aos 20 minutos, quando Emerson surgiu pela esquerda diante de Simón. A bola ficou com Immobile, que rolou para Barella. Sem goleiro, ele perdeu a chance. A Espanha respondeu rápido e Olmo obrigou Donnarumma a fazer a melhor defesa dos primeiros 45 minutos.

Depois dos 30, a Itália voltou a pressionar a Espanha e por pouco não abriu o placar com Emerson, que, em nova escapada pela esquerda, acertou forte chute na trave de Simón.

Dois detalhes importantes no primeiro tempo: apenas 14 faltas foram cometidas (Itália 8 x 6 Espanha), enquanto os espanhóis trocaram mais do dobro de passes que os italianos 324 a 152.

O início do segundo tempo foi eletrizante. Em menos de dez minutos, cada seleção já havia ameaçado a meta rival. Busquets bateu na entrada da área e errou por pouco. Já Chiesa forçou bela defesa de Simón.

Mas o placar foi aberto aos 14 minutos. E doo jeito que a Itália gosta de jogar. Donnarumma interceptou um cruzamento e lançou rápido Barella na esquerda. Em velocidade impressionante, a bola foi para Immobile, que se enroscou com a defesa espanhola. O rebote ficou para Chiesa, que bateu com extrema categoria: 1 a 0.

A partida pegou fogo. A Espanha se lançou ao ataque e quase empatou com Oyarzabal e Olmo. A Itália não se intimidou e Berardi só não fez o segundo gol italiano porque Simón fez grande defesa. Tudo isso visto por um Wembley quase lotado e repleto de energia.

Um segundo gol na partida poderia sair de qualquer lado. E saiu aos 34, após bela jogada de Morata, que tabelou com Olmo e finalizou com enorme tranquilidade diante de Donnarumma.

Os times não diminuíram o ritmo nos últimos dez minutos mesmo com o perigo de sofrer um gol decisivo no final. O placar ficou igual e a disputa foi para a prorrogação, a terceira consecutiva para os espanhóis na competição.

O primeiro tempo extra mostrou uma Espanha mais organizada e bem fisicamente, apesar dos desgastantes jogos anteriores. Por duas vezes teve oportunidade de ficar à frente no placar. A Itália, sem Insigne e Immobile (substituídos na segunda etapa), não apresentou força para buscar os contra-ataques.

A Itália voltou melhor nos últimos 15 minutos. Berardi até teve um gol anulado, mas faltou regularidade. Cansados, os times optaram em levar a decisão para os pênaltis. Gerard Moreno, Thiago converteram para a Espanha, enquanto Belotti, Bonucci, Bernardeschi e Jorginho marcaram para a Itália. Simón pegou o pênalti de Locatelli, mas Olmo mandou para fora e Donnarumma defendeu a cobrança de Morata.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.