Alessandro Bianchi/Reuters
Alessandro Bianchi/Reuters

Itália investiga médicos pela morte de Astori, da Fiorentina

Zagueiro de 31 anos passou por dois eletrocardiogramas em 2016 e 2017 e foi liberado para atuar

ANSA

10 de dezembro de 2018 | 11h44

O Ministério Público de Florença, na Itália, anunciou nesta segunda-feira (10) que dois médicos estão sendo investigados pela morte do capitão da Fiorentina, Davide Astori, pelo crime de homicídio culposo (quando não há intenção de matar).

De acordo com a promotoria, os dois médicos trabalham em hospitais públicos localizados em Florença e Cagliari e emitiram certificados de aptidão física, permitindo que Astori praticasse atividades esportivas. 

Segundo o jornal La Nazione, Astori passou por dois eletrocardiogramas em julho de 2016 e 2017, e um deles mostrou um pequeno indício de que o coração do jogador não estava funcionando como deveria. No entanto, mesmo assim, ele recebeu sinal verde para praticar atividades físicas.

Astori, de 31 anos, foi encontrado morto antes de uma partida contra a Udinese, no quarto do hotel em que estava hospedado, no dia 4 de março. O falecimento do capitão da Fiorentina pode ter sido provocado pela aceleração dos batimentos de seu coração (taquiarritmia). (ANSA)

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.