Itália muda data de clássico de risco

A partida entre Fiorentina e Roma foi transferida para o dia 9 de abril. O clássico inicialmente estava previsto para o dia 8, mas numa reunião realizada agora pela manhã, em Florença, representantes dos clubes, da federação de futebol, da polícia e da prefeitura decidiram mudar a data, por questão de segurança. O jogo é considerado de alto risco e realizá-lo na segunda-feira à tarde - 15h30 locais, 10h30 no horário de Brasília - é uma tentativa de diminuir confrontos entre as torcidas. A iniciativa do encontro partiu de Achille Serra, prefeito da capital da Toscana. No começo da semana, ele recebeu relatórios da polícia em que se falava na possibilidade de 10 mil torcedores romanos irem ao "Artemio Franchi". A viagem de trem, entre Roma e Florença, dura três horas, e a ligação por estrada é excelente e de fácil acesso. Como não há disponibilidade equivalente de ingressos, havia o temor de tumultos na porta do estádio. Também foram levados em conta outros dois fatores: a rivalidade entre as torcidas das duas cidades, que já brigaram muitas vezes, e a provável visita de Gabriel Batistuta pela primeira vez como adversário dos florentinos, depois de dez anos como ídolo do clube. O argentino se recupera de contusão no joelho e tem possibilidade de voltar à Roma, líder do campeonato italiano. A mudança de data foi anunciada depois do encontro. Havia possibilidade de antecipação para a sexta-feira, mas se levou em conta o fato de que muita gente poderia viajar no final da tarde e emendar o fim de semana. Agora, como o clássico será na segunda-feira, se acredita que ficará mais difícil para os "romanistas" perderem um dia de viagem. A troca de datas não agradou à diretoria da Fiorentina. "Fomos prejudicados, porque no dia 11 estava prevista a primeira partida da final da Copa Itália", lamentou Mario Sconcerti, vice-presidente do clube. A federação, então, optou também por alterar o calendário: o primeiro jogo com o Parma, na decisão do título, passou para o dia 2 de maio, em Florença mesmo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.