Itália, Polônia e Portugal são candidatas a receber fase final da Liga das Nações

Uefa criou a competição, que tem quatro divisões, para substituir os amistosos entre seleções, que despertam menos interesse que torneios oficiais

Estadao Conteudo

09 Março 2018 | 18h34

A fase final da primeira edição da Liga das Nações, nova competição de seleções organizada pela Uefa e que começará em setembro deste ano, poderá ser sediada por Itália, Polônia ou Portugal.

As federações nacionais que comandam o futebol de cada um destes países mostraram interesse em sediar a fase final do torneio e agora têm até o dia 31 de agosto para apresentar o dossiê de candidatura. As semifinais da Liga das Nações estão marcadas para os dias 5 e 6 de junho de 2019 e a decisão está prevista para o dia 9 do mesmo mês.

+ Alemanha, França e Holanda caem no mesmo grupo da Liga das Nações

A Uefa pretende atribuir a organização da fase final da competição a um dos vencedores dos três grupos que integram a primeira fase e, como Portugal, Itália e Polônia estão na mesma chave, a 3, se os três conseguirem preencher os requisitos exigidos pela entidade, quem terminar este estágio inicial na liderança deverá ser o anfitrião da fase derradeira do torneio.

Além da chave com os três países candidatos à sede, a Liga das Nações é formada por outros três grupos, definidos por sorteio no fim de janeiro deste ano. O 1 é o mais forte pois tem as presenças da atual campeã mundial Alemanha, França e Holanda. No 2 estão Bélgica, Suíça e Islândia. Espanha, Inglaterra e Croácia compõem o Grupo 4.

+ Brasileirão é o 3º torneio mais forte do mundo, atrás do Espanhol e Inglês

A Uefa criou a competição, que tem quatro divisões, para substituir os amistosos entre seleções, que despertam menos interesse que torneios oficiais. O formato da competição garante que as equipes mais fortes se enfrentem com mais frequência. Já as seleções piores ranqueadas duelarão constantemente com times nacionais do mesmo nível e têm uma chance mais real de se classificarem à Eurocopa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.