Itamar ainda sofre com perda paterna

Muito mais do que sentir-se incomodado com a reserva do Palmeiras, o atacante Itamar luta no momento para superar um problema pessoal. A morte do pai, ocorrida repentinamente há dois meses, ainda o atormenta.Em um depoimento comovente, o jogador afirmou que domingo passado, antes da partida contra o Fluminense em Teresina, chorou muito assistindo a um quadro que mencionava a figura do pai dentro do programa "Domingo da Gente", comandado pelo apresentador Netinho na TV Record. "O tempo vai passando, a gente pensa que vai dar para esquecer o que aconteceu, mas está sendo muito difícil", confessa o atacante.Seu Mauro tinha 56 anos e sofreu uma parada cardíaca enquanto conversava com o mais famoso de seus 12 filhos. O jogador, que havia aproveitado uma folga especialmente para visitar a família na cidade mineira de Santa Maria, conta que não teve tempo para socorrê-lo. "Foi uma coisa muito rápida. Ele caiu de repente e não levantou mais. Agora me preocupo demais com minha mãe, que não pode ficar sozinha em casa".Itamar perdeu a condição de titular para Muñoz nesta Copa dos Campeões. Em uma demonstração rara de sinceridade, admite que a cabeça ainda não está boa para entrar em campo como sempre fez. "Não atuei bem contra Bahia e Vasco e o treinador fez bem em me tirar. Mas é claro que quero voltar o mais rápido possível, quem sabe com alguns golzinhos ficaria feliz novamente".Dedicação - A ligação entre Itamar e seu Mauro sempre foi muito profunda. O jogador conta que mesmo com um orçamento doméstico muito reduzido, o pai chegou a abrir mão de artigos essenciais para a casa apenas para custear a sua paixão pelo futebol. "Meu pai era pedreiro, ganhava muito mal. Mas sempre me dava dinheiro para que pudesse pagar as passagens entre Santa Maria e Itabira, onde jogava pelo Valério Doce. Lembro das brigas em casa entre meu pai e meus irmãos, que não se conformavam com isso".O atacante está evitando ficar sozinho nos últimos dias. Liga pelo menos duas vezes por dia para a mãe, que mora em uma casa que comprou recentemente para a família. Por mais que se esforce para aparentar tranqüilidade, a imagem paterna ainda está muito viva em sua mente. "Eu não esqueço até hoje do dia que a escola marcou uma excursão e eu não tinha dinheiro para ir. Estava na 4ª série e dormi imaginando que não iria, pensando na alegria que os meus amigos teriam e eu não. No entanto, quando acordei, meu pai disse que havia pedido dinheiro emprestado apenas para pagar o passeio. Isso foi tudo para mim".Conselhos não têm faltado para que Itamar volte a sorrir. O próprio Vanderlei Luxemburgo é um de seus maiores incentivadores. Acompanhando a entrevista em uma cadeira ao lado na concentração em Belém, chamou a reportagem para uma conversa reservada tão logo Itamar levantou-se para almoçar. "É um menino que precisa de muito apoio. Está passando por momentos complicados, mas tem um potencial enorme".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.