Dudu Lima/Estadão
Dudu Lima/Estadão

Itamaraty não pode interferir em possível inquérito contra brasileiros na Rússia

Brasileiros protagonizam polêmicas durante a Copa do Mundo em solo russo

Estadão Conteúdo

20 Junho 2018 | 18h50

O Ministério das Relações Exteriores acompanha o caso dos brasileiros que geraram polêmica ao constranger uma mulher russa, mas ressalta que não pode interferir em uma possível abertura de inquérito na Rússia. "Denúncias sobre qualquer tipo de infração à legislação russa são recebidas e apuradas pelas autoridades daquele país", disse trecho de nota enviada ao Estado.

+ Empresa demite funcionário que constrangeu mulheres na Rússia durante a Copa

+ Por assédio, autoridades russas avaliam abrir inquérito contra brasileiros

O Itamaraty destaca que elaborou em conjunto com o Ministério do Esporte um guia consular para orientar torcedores e turistas brasileiros em viagem à Rússia durante a Copa do Mundo. O guia traz recomendações expressas contra atos de violência verbal, visual ou física, em especial que insultem ou humilhem pessoas em razão de gênero, raça, etnia, origem social, religião e orientação sexual. O documento fala inclusive de canções que violem normas de decoro.

O guia possui 138 páginas e tem dicas sobre as leis do país, costumes, idioma, moeda, documentação e transporte. Trecho da carta ressalta que "comportamento interpretado como assédio sexual enseja multa e prisão de até um ano".

Outra parte do documento lembra que não cabe às autoridades diplomáticas brasileiras "evitar detenção de cidadão brasileiro ou garantir sua liberação, quando acusado de crime ou infração, ou providenciar-lhe tratamento diferenciado, em prisão, daquele prestado a nacionais russos".

 

Seis escritórios de assistência consular auxiliam os brasileiros durante a Copa do Mundo em Moscou, São Petersburgo, Sochi, Rostov, Samara e Kazan. O Brasil é o terceiro país que mais comprou ingressos para o Mundial. Cerca de 66 mil bilhetes foram vendidos para residentes no País.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.