Ivo Wortmann elogia raça do Paysandu

Alguns jogadores do Paysandu não escondiam o alívio após a manutenção do time entre os 24 melhores do país. Para o treinador Ivo Wortmann, os jogadores deram um exemplo de determinação ao superar as adversidades das últimas partidas. "Caímos de produção, mas a raça acabou superando as deficiências". Wortmann não sabe se irá continuar no Paysandu em 2004, mas sua vontade é ficar. Ele nega ter recebido convite do Goiás, que perdeu Cuca para o São Paulo. Os vestiários dos paraenses foram invadidos por diretores e conselheiros, que foram abraçar os jogadores e parabenizá-los por manter o time na elite. O presidente Arthur Tourinho foi taxativo: "cheguei a pensar em largar a presidência, mas o desafio de formar um grande time em 2004 está me deixando motivado". O empate com o Atlético, segundo Tourinho, foi um "bom resultado". Ele anunciou que alguns jogadores, como Vélber e Magnum estão sendo negociados. Magnum deve ir para o Vitória (BA) e Vélber para um clube do Japão. Tourinho não quis revelar o valor dos passes. O volante Vanderson disse que a perda de oito pontos no tapetão da CBF foi ruim para a auto-estima do time. "Graças a Deus nós superamos até as armações e alegramos a nossa torcida. Ficar na primeira divisão foi um prêmio para mim". O jogador, pretendido pelo Atlético Mineiro, disse que espera fazer uma boa temporada no ano que vem. Vélber chegou a prometer parar de jogar futebol se o Paysandu fosse rebaixado. "Nem dormi direito a noite de sábado para domingo, mas Deus foi justo com o time e com a torcida".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.