Paulo Giandalia/Estadão
Paulo Giandalia/Estadão

J. Hawilla entrega cúpula da CBF ao FBI e faz acordo para devolver R$ 575 milhões

Em audiência, empresário revela como pagou propinas por 20 anos

Jamil Chade, correspondente na Suíça, O Estado de S. Paulo

15 Outubro 2015 | 19h45

Para ganhar contratos com a CBF, a regra é simples : pagar subornos. Quem fez a confissão foi o empresário brasileiro, José Hawilla, pivô do maior escândalo do futebol internacional e que levou cartolas à prisão. Nesta semana, a Justiça americana publicou a íntegra de seu depoimento. Nele, o brasileiro entregou a cúpula da CBF e revela como pagou por mais de 20 anos subornos para ficar com contratos. Ele ainda acertou um acordo com a Justiça americana, devolvendo R$ 575 milhões e denunciou Ricardo Teixeira, José Maria Marin e Marco Polo Del Nero.

Em 12 de dezembro de 2014, Hawilla esteve diante de um juiz de Nova York, Raymond Dearie, e explicou que as propinas eram necessárias para garantir à Traffic contratos. Ele confessou ser "culpado" pelas acusações e indicou que o pagamento das propinas começou ainda em 1991. Ele ainda entregou a direção da CBF, acusando-os de terem recebido parte do suborno. 

"Desde 1980 eu desenvolvo meu projeto por meio da minha empresa Traffic. Eu comprei os direitos para eventos de futebol e começou a promovê-los de uma maneira legítima pelo mundo", explicou o empresário, segundo a transcrição da audiência obtida pelo Estado

Mas tudo começaria a mudar."Quando eu fui renovar o contrato para um desses eventos, a Copa América em 1991, um dirigente associado à Fifa e sua federação Conmebol, ele me pediu propina para eu assinar o contrato", contou. "Eu precisava do contrato por que eu havia assumido compromissos futuros. Apesar de eu não querer, eu concordei em pagar a propina àquele dirigente". 

"Depois disso e até 2013, outros dirigentes do futebol vieram a mim pedir propinas para assinar ou renovar contratos. Eu concordei em pagá-los por contratos de direitos de marketing para vários torneios e outros direitos", explicou.

"Eu concordei em pagar propinas para contratos para a Copa América, a Golden Cup, para a Copa do Brasil e para o acordo de patrocínio para a seleção brasileira", disse. 

Nos documentos que levaram à prisão de José Maria Marin, o ex-presidente da CBF foi gravado afirmando ao empresário que gostaria que o dinheiro da propina da Copa do Brasil fosse para ele. Os contratos de Hawilla com a CBF de 15 de agosto de 2012 envolvendo o torneio brasileiro foram, segundo os documentos da corte, entregues ao FBI. Segundo as investigações, Marin e Marco Polo Del Nero estariam entre os beneficiários do dinheiro. 

O Estado apurou que, instantes antes da conversa, o atual presidente da CBF insistiu com Marin para que ele não conversasse com Hawilla, alertando que o empresário estava sob investigação nos EUA. Marin não deu ouvidos ao seu ex-vice-presidente. Del Nero, porém, não abriu a boca na conversa.

Outro contrato com o envolvimento de Hawilla foi entre a CBF, comandada por Ricardo Teixeira nos anos 90, e a Nike. Pelo menos US$ 40 milhões em propinas foram repartidas, inclusive para o ex-presidente da CBF. 

AMÉRICA

Hawilla também confirmou que pagou propinas em relação aos contratos da Copa América. "Os subornos foram pagos a dirigentes com posições de autoridade e de confiança na Fifa, na Concacaf e na Conmebol", disse, confessando que sofria de um câncer, tinha problemas n pulmão e ainda dormia com oxigênio.  

Nesse caso, uma tabela foi criada para distribuir o pagamento entre os dirigentes sul-americanos. O presidente da CBF ficaria com US$ 3 milhões por cada edição da Copa América. Hawilla, porém, admite que tentou impedir a investigação, dificultando o acesso a documentos. 

O empresário ainda reconheceu seu crime. "Eu sabia que essa conduta era errada. Me arrependo muito e peço desculpas pelo que fiz", disse Hawilla.

ACORDO

O empresário fechou um acordo de cooperação com a Justiça dos Estados Unidos em março de 2014 e, segundo os documentos, ele aceitou devolver US$ 151 milhões obtidos em receita apenas em dois anos - 2012 e 2013 - com contratos com a Copa do Brasil e outros torneios. Ele ainda venderia sua participação na Traffic.

Suas revelações ajudaram a identificar os cartolas e, no dia 27 de maio de 2015, sete deles seriam presos em Zurique. Ontem, as autoridades suíças aprovam a extradição de Julio Rocha, dirigente da Nicarágua, e que é o sexto já com o sinal verde para ser enviado aos EUA. Além dele, a Suíça já concedeu a extradição de Eugênio Figueredo, Rafael Esquivel, Eduardo Li, Costas Takkas e Jeff Webb aos EUA.

Marin, assim, é o último dos sete presos a ser considerado pela Justiça, o que deve ocorrer até meados da semana que vem. Mas seus advogados já indicam que ele pode até mesmo abrir mão de um recurso e aceitar ir aos EUA. 

Com um apartamento em Nova Iorque, ele teria possibilidade de pagar uma fiança de R$ 40 milhões, o que o permitiria aguardar o julgamento em sua residência. Pessoas que estiveram com o brasileiro indicaram que, depois de mais de quatro meses na prisão em Zurique, ele mostra claros sinais de querem ver uma definição para seu caso. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.