Divulgação
Divulgação

'Já tenho um rumo na cabeça', diz Luis Fabiano no São Paulo

Atacante faz sua última partida no Morumbi neste sábado

Ciro Campos e Igor Ferraz, O Estado de S. Paulo

27 de novembro de 2015 | 14h59

Neste sábado, contra o Figueirense, o atacante Luis Fabiano entrará pela última vez no gramado do Morumbi vestindo a camisa do São Paulo. Após o treino da manhã desta sexta-feira, o jogador concedeu entrevista coletiva no CT da Barra Funda e falou sobre o futuro, sua relação com o estádio são-paulino e ainda alfinetou a diretoria na hora de falar sobre sua saída.

"Entendo o lado do clube, foi um ano muito conturbado, problemático e de coisas atípicas. Tem coisas mais importantes para se preocupar. Até hoje nós vemos que não tem um planejamento para o ano que vem, não sabem quem será o técnico...", afirmou Luis Fabiano, que ainda aproveitou para lembrar a boa relação que tinha com o ex-presidente Juvenal Juvêncio, que deixou o cargo no ano passado.

"Talvez pudesse ser o Juvenal e acontecer o mesmo. A relação com ele era especial, meio maluco como eu, e dois malucos se entendem. Talvez ele pudesse me chamar para conversar e explicaria a situação, mas poderia ter o mesmo desfecho", disse. Luis Fabiano retornou ao São Paulo em 2011, bancado justamente por Juvenal. À época, o investimento foi de aproximadamente R$ 17,5 milhões.

Sobre o futuro, o atacante não fechou as portas ao futebol brasileiro e indicou que deve definir seu destino na próxima semana: "Não parei para analisar o que tenho de possibilidade. O que eu queria era ter uma certa tranquilidade para terminar a temporada. Tem coisas grandes em jogo. Tenho uma pequena ideia do que quero do ano que vem. Na próxima semana, dependendo do que acontecer amanhã, vou encaminhar qual será o meu destino. Vamos ver se até a semana que vem aparecem coisas novas, mas já tenho um rumo na cabeça."

Agora, cabe ao atacante tentar balançar as redes pela última vez no Morumbi. Seja com a camisa do São Paulo ou da seleção brasileira, Luis Fabiano tem história no estádio. Ele é o segundo maior artilheiro da história do Morumbi, com 157 gols, atrás apenas de Serginho, com 166.

"Jogar no Morumbi não tem explicação, até mesmo com outra camisa, como a da seleção. Eu sei o caminho, dou sorte, a bola sobra, tem algo especial na minha relação com o estádio. Amanhã será um dia atípico. Não sei qual vai ser o sentimento, mas quando envolve despedida é sempre algo emotivo e de coração. Mas espero me concentrar para o jogo, que é importante, para me despedir bem e feliz", concluiu.

Com 211 gols, Luis Fabiano é o terceiro maior artilheiro da história do São Paulo, atrás apenas de Serginho (242) e Gino (233). Recentemente, equipes da China e do México demonstraram interesse em contratar o atacante. Com 56 pontos, o São Paulo ainda é o 4º colocado do Campeonato Brasileiro mesmo após a derrota por 6 a 1 para o rival Corinthians e depende apenas das próprias forças para garantir vaga na Copa Libertadores de 2016.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.