Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Filipe Granado/AE
Filipe Granado/AE

Jadson admite alívio por gol e cobra vitória no clássico com o Palmeiras

Atacante se redimiu do pênalti perdido contra o Corinthians e fez o seu diante do Bragantino

BRUNO DEIRO, Agência Estado

23 de fevereiro de 2012 | 18h00

SÃO PAULO - Apesar do empate com o Bragantino, na noite de quarta-feira, o meia Jadson admitiu ter acordado aliviado nesta quinta. O principal reforço do São Paulo tirou o "peso das costas" ao marcar seu primeiro gol pela equipe, em cobrança de pênalti, depois de desperdiçar outra penalidade no clássico com o Corinthians.

"Peguei a bola e os companheiros deram apoio. Marquei o gol para tirar um pouco daquele peso que estava nas minhas costas", comentou Jadson, que negou qualquer atrito com a torcida após festejar o gol levando a mão ao ouvido. "Não foi desabafo nem nada com a torcida. Foi uma comemoração normal".

Jadson também reconheceu que sua responsabilidade aumentou às vésperas do clássico com o Palmeiras, domingo, em Presidente Prudente. "A equipe está precisando de uma vitória depois do empate de ontem [quarta]". E garantiu evolução para os próximos jogos. "Com o passar do tempo, vou ganhando ritmo e conhecendo melhor meus companheiros".

Autor de dois dos três gols são-paulinos na quarta, Cícero também cobrou um triunfo diante do rival no fim de semana. "Contra o Palmeiras, a vitória é fundamental, porque começamos bem o campeonato, e depois caímos justamente com a derrota no clássico com o Corinthians. Com uma vitória, ganharemos confiança para decolar no campeonato", comentou o volante, que atuou improvisado como centroavante diante do Bragantino.

"Sempre fui versátil. Pelos clubes que passei, os treinadores sempre me usaram nas posições que precisavam mais. Procuro fazer meu trabalho da melhor maneira possível. Tenho minhas preferências, até pensando em seleção, mas também gosto de jogar como atacante. Você fica mais perto da área, perto do gol", afirmou Cícero.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.