Jeferson Guareze/AGIF
Jeferson Guareze/AGIF

Jadson desabafa: 'Só quem acreditou no Corinthians foram nós mesmos e a torcida'

Meia destaca união do grupo com a torcida e nega ter ficado chateado com a saída do time

Daniel Batista, Estadao Conteudo

17 Novembro 2017 | 18h34

O meia Jadson, do Corinthians, aproveitou o título de campeão do Campeonato Brasileiro para desabafar. Titular durante boa parte da campanha desta temporada, ele perdeu a posição para Clayson na reta final e destacou a falta de confiança que o elenco sofreu desde o início do ano.

+ Roberto de Andrade promete Corinthians com força máxima até o fim do Brasileiro

"Os únicos que acreditaram em nós, o Corinthians, foram o nosso grupo e a torcida corintiana. Mesmo fazendo um primeiro turno perfeito e caindo de rendimento, tínhamos respaldo da torcida. Mesmo com as críticas que recebemos, continuamos com os pés no chão, fomos conquistando resultados e mais uma vez ganhamos o campeonato", resumiu o meia.

Embora tenha terminado o ano na reserva, o meia analisa 2017 como um ano especial. "Foi um ano maravilhoso. Não tenho do que reclamar. Ser campeão paulista, sendo contestado e terminar o ano com dois títulos é importante para o grupo todo. Terminar o ano com título é importante na vida de qualquer jogador. A nossa vida é uma gangorra, em que temos momentos bons e ruins. Tivemos um primeiro turno perfeito, caímos de rendimento na segunda parte, mas nos reerguemos", comemorou.

Autor do terceiro gol da vitória sobre o Fluminense, ele nega qualquer problema com o fato de o técnico Fábio Carille ter lhe colocado no banco de reservas. "Caí de rendimento no segundo turno e perdi a minha posição, mas nunca reclamei ou chiei. Continuei trabalhando, entrei no jogo (contra o Fluminense) e consegui ajudar a equipe a vencer o jogo", festejou.

+ Corinthians e Ponte reeditarão final na abertura do Paulistão de 2018

Jadson não balançava as redes desde o dia 12 de julho, pela 13.ª rodada, quando o Corinthians derrotou o Palmeiras por 2 a 0. Diante do Fluminense, encerrou o jejum, mas antes arriscou um chute que acertou a trave. "Estava mais de três meses sem marcar. Teve uma bola na trave, que eu olhei e pensei: 'Só volto a fazer gol em 2018', mas consegui acertar um chute e fui feliz".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.