Jadson tenta manter "cabeça no lugar"

Em um futebol cada vez mais baseado na força e na marcação, o meia Jadson, 21 anos, do Atlético-PR tem mostrado que ainda é possível jogar com técnica e objetividade. Considerado uma das revelações do Campeonato Brasileiro, o atleta pode ganhar seu primeiro título nacional neste final de semana, mas mesmo que se torne vice, já escreveu seu nome entre os destaques desta temporada.Ao lado do artilheiro Washington e de Dagoberto, afastado do time devido a uma contusão, o meia está em alta com a torcida, que também o aponta como um dos responsáveis pelo bom momento do clube.Jadson reconhece a responsabilidade que isso representa, mas afirma não se abalar, tampouco deixar o sucesso fazer a sua cabeça. "Estou lidando bem com isso e, também sei que preciso melhorar em algumas coisas para ajudar mais a equipe". Segundo ele, que é perito em armar as principais jogadas de ataque da equipe partindo em velocidade do meio para o ataque e criando chances de gol, ainda é necessário melhorar sua marcação para fechar mais os espaços dos adversários.Com 15 gols marcados no Campeonato Brasileiro, além de igual número de assistências, Jadson passou a ser mais vigiado pelas zagas adversárias. "Com certeza fiquei mais visado em campo, o que é normal que aconteça. Para evitar isso preciso ficar mais atento durante as partidas", disse.Apesar da boa fase, Jadson, que iniciou sua carreira no PSTC de Londrina, sua terra natal, precisou de paciência para conquistar seu lugar entre os titulares. No início da temporada era deixado no banco pelo então técnico Mário Sérgio. "Eu apenas pensava em mostrar tudo o que podia nos minutos em que entrava".Sobre a situação da equipe, Jadson afirmou durante a semana que deve-se manter a esperança, mas para isso, o time tem de fazer sua parte e vencer o Botafogo. "Precisamos vencer o nosso jogo e, quem sabe, o Vasco ganhe do Santos e poderemos comemorar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.