Sebastião Moreira/EFE
Sebastião Moreira/EFE

Jair admite que time titular contra Cruzeiro nunca treinou junto: 'Não deu tempo'

Técnico do Corinthians optou pelas entradas de Emerson Sheik e Jonathas na decisão da Copa do Brasil

João Prata, O Estado de S.Paulo

18 Outubro 2018 | 01h46

O técnico Jair Ventura admitiu na coletiva desta quarta-feira que o Corinthians que entrou em campo na final contra o Cruzeiro pela Copa do Brasil nunca tinha atuado junto. O treinador optou pelas entradas de Emerson Sheik e Jonathas nas vagas de Clayson e Mateus Vital.

"Não deu tempo. Por conta das circunstâncias. De jogar duas vezes na semana, ter que dar descanso aos jogadores, não conseguimos trabalhar com todos esses jogadores juntos", comentou o treinador. Ele também tentou justificar as escolhas.

"Temos um camisa 9 de ofício para uma final que precisava de dois gols e profundidade. Dentro do elenco não tem outro 9 que poderia jogar hoje (quarta-feira). A opção pela entrada dele foi dar para dar profundidade", disse. 

Em relação ao Emerson Sheik, foi por conta da ausência do lateral-esquerdo Egídio, do Cruzeiro, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. "Sem o Egídio, ele não teria a obrigação de acompanhar, por isso a entrada dele. E ele fez uma grande partida", informou.

Jair admitiu que Jonathas não fez um bom jogo. Justificou que foi por faltar ainda ritmo de jogo. O centroavante fez contra o Santos o primeiro jogo como titular desde que se recuperou de uma fibrose na coxa direita. "Não gostamos muito do Jonathas e gostamos do Emerson. Se botar no balanço as alterações foram boas. Sei que a responsabilidade pelas mudanças é do treinador. Assumo isso", comentou.

Em relação ao jogo, Jair disse que gostou do comportamento da equipe. "Conseguimos manter a bola no campo ofensivo e fazer o Cruzeiro buscar somente a transição. Os dois gols deles saíram em falhas nossas, mas não é hora de encontrar heróis nem culpados. Fizemos uma boa partida e o Cruzeiro tem os méritos, porque foi uma equipe cirúrgica."

O Corinthians agora volta as atenções para o Campeonato Brasileiro. No domingo, visita o Vitória, no Barradão, e precisa da vitória para se distanciar da zona de rebaixamento - hoje apenas quatro pontos separam o time alvinegro da degola. 

"Não temos o direito de ficar tristes somente até o próximo jogo. O momento não é de falar muito. É lamentar a derrota, mas levantar a cabeça, porque precisamos reagir e buscar os resultados no Campeonato Brasileiro", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.