Jair Picerni na maior torcida para subir

Se o coração do palmeirense comum deverá bater mais forte a partir do próximo final de semana, quando a equipe do Parque Antártica estreará na segunda fase da Série B do Brasileiro, o peito do técnico Jair Picerni também ficará apertado. Além da realização profissional de poder comandar a equipe na luta para voltar à elite do futebol brasileiro, este paulistano da Barra Funda, de 57 anos, tem um motivo a mais para perseguir o título: o amor pelo time que, desde criança, bandeira em punho, o levava ao Pacaembu nas tardes de domingo. ?Me chamo Jair por causa do Jair da Rosa Pinto, que jogou aqui na década de 50?, confessa Picerni. ?Mas é claro que a nossa realidade é bem diferente. A própria filosofia do clube mudou.?Leia mais no Jornal da Tarde

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.