Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians
Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

Jair Ventura mantém Jadson como dúvida e justifica mudanças no Corinthians

Treinador disse que aguarda avaliação médica e espera contar com o meio-campista contra o Bahia

João Prata, O Estado de S.Paulo

26 Outubro 2018 | 15h35

O técnico Jair ventura manteve nesta sexta-feira o mistério sobre a presença de Jadson no jogo do Corinthians contra o Bahia, sábado, em Itaquera, pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro. E aproveitou essa dúvida para justificar o fato de nos 11 jogos que esteve á frente da equipe nunca ter repetido a mesma escalação em sequência.

"Tem uma situação que você não repete por opção. E uma que você não pode. Se tiver o Jadson amanhã, vou repetir. Se não, sou obrigado a mudar. Nesse período que estou aqui, só duas vezes optei por mudar, nas outras, fui obrigado. São coisas diferentes. Lógico que você quer dar sequência na equipe para dar entrosamento, e ritmo. Mas quando você tem situações que não satisfazem, pode mudar para melhorar também", comentou.

Jadson machucou a panturrilha direita no treino de quarta-feira e ainda será avaliado nesta sexta. O jogador tem 35 anos e a tendência é que seja poupado até para não correr o risco de agravar o problema. Sem ele, Pedrinho fará a função de armar as jogadas e o paraguaio Sergio Díaz entrará no ataque.

Com essa mudança, o Corinthians tentará voltar a vencer no Campeonato Brasileiro. São cinco jogos consecutivos, com duas derrotas e três empates que aproximaram o time da zona de rebaixamento. Atualmente apenas três pontos separam o clube do Vitória, o 17º colocado. "Temos qualidade para estar mais longe e dentro disso vamos trabalhar forte para subir o mais rápido possível. Na zona de rebaixamento tem quatro, e entre nós e a zona tem mais quatro times", avaliou.  

Jair evitou fazer críticas sobre o atual momento, mas assumiu a responsabilidade pelos maus resultados. "Não faço uma avaliação minha nem pro bem e nem pro mau. Vou chegar aqui e fazer crítica? A minha é com o grupo. Não vou externar que a gente não está ganhando por isso ou aquilo. Se isso está acontecendo, eu sou o principal responsável. Sempre tem que jogar melhor, eu já queria quando a gente chegou na final da Copa do Brasil."

No comando do Corinthians, Jair tem 30,3% de aproveitamento, com duas vitórias, quatro empates e cinco derrotas. Nesse período, além da sequência negativa no Brasileirão, o time ficou com o vice da Copa do Brasil ao perder a decisão para o Cruzeiro. 

"Falar dos problemas fica fácil. O treinador sabe os problemas que todos vocês sabem, mas nós temos que dar uma solução. Identificar o problema é fácil. Não posso culpar A, B ou C. Estávamos na crista da onda quando eliminamos o Flamengo, e nem por isso me achei o melhor treinador. É preciso ter o equilíbrio", disse. 

Apesar de todos esses tropeços, o presidente Andrés Sanchez garantiu apoio ao treinador. Questionado sobre essa confiança depositada em seu trabalho, o treinador comentou: "Você me perguntar se eu acredito no meu presidente. Você acredita no seu? Eu acredito no meu. Se os resultados não chegarem, eu e todos os treinadores corremos risco. Eu acredito no meu presidente, acredito no homem até ele me mostrar uma situação diferente", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.