Divulgação
Divulgação

Jairzinho festeja volta à seleção como auxiliar pontual de Dunga

Artilheiro de 1970 tentará passar a importância do jogo coletivo

Estadão Conteúdo

05 Março 2015 | 16h05

Confirmado oficialmente nesta quinta-feira como auxiliar pontual de Dunga para os amistosos que a Seleção Brasileira fará contra França e Chile, respectivamente nos próximos dias 26 e 29, Jairzinho festejou a chance de reencontrar o time nacional, com o qual se consagrou como artilheiro do Brasil na campanha do tricampeonato mundial na Copa de 1970.

O ex-jogador é mais um a integrar a seleta lista de escolhidos para esta função desde que Dunga reassumiu o comando do time nacional após a saída de Felipão do cargo, deixado pelo técnico depois da frustrante Copa de 2014 para o Brasil.

"Antes de tudo é um prazer ajudar a seleção brasileira e a minha importância para o grupo é o que eu aprendi nos momentos de convívio com outros jogadores desde a conquista do Pan-Americano até a seleção principal. Vou passar para os jogadores a importância do futebol coletivo, até como um fator maior do que a própria individualidade. O Dunga está buscando esse perfil para a seleção brasileira. Que todos participem e que ninguém fiquei longe do Neymar, por exemplo", ressaltou Jairzinho, em entrevista ao site oficial do Botafogo, clube que também defendeu com sucesso em sua carreira profissional.

O ex-atacante participou de três edições do Mundial e destacou a importância de a seleção formar um grupo unido, no qual Neymar é a principal referência e precisa contar com o amparo de todos para que possa brilhar como estrela maior da equipe nacional.

"O pensamento do Dunga está correto e ele está fazendo muito bem levando um dos maiores jogadores da seleção em copas do mundo. Fiz gols em todos os jogos da Copa de 70 e deslumbrei o mundo, assim como o Pelé, Rivelino, entre outros. Naquela copa o Pelé foi protegido por nós e pôde desenvolver tudo que fez. A parte da criatividade dele dispensa comentários, resta apenas aplaudir. Naquele time prevaleceu a coletividade, nós enganamos os adversários e fomos mais que ofensivos, fomos um grupo", completou.

Jairzinho ainda enfatizou o peso de os jogadores saberem valorizar a chance de defender o time nacional nestes amistosos de preparação para os próximos desafios que virão pela frente, como a Copa América e as Eliminatórias da Copa de 2018. "Esperamos colocar na mente dos atletas que eles aproveitem a oportunidade e não deixem brechas para outros. Se cada um entender a característica do outro o jogo vai encaixar naturalmente", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.