James Rodríguez recebe Chuteira de Ouro da Fifa e 'elege' novo gol

Meia do Real Madrid discorda da entidade máxima do futebol ao apontar seu gol contra o Japão como o mais bonito da Copa

Estadão Conteúdo

08 de agosto de 2014 | 09h25

Quase um mês depois do término da Copa do Mundo, encerrada no último dia 13 de julho, James Rodríguez enfim recebeu, nesta sexta-feira, a Chuteira de Ouro da Fifa por ter sido o artilheiro da competição, com seis gols marcados. O meia colombiano, recém-contratado pelo Real Madrid junto ao Monaco, exibiu o troféu na capital madrilenha, nas instalações do seu novo clube, e festejou a honraria após ter brilhado intensamente no Brasil.

O jogador de 23 anos, porém, chamou a atenção pelo fato de ter destoado da Fifa sobre o gol mais bonito do Mundial. Eleito também o atleta que fez o mais belo gol do torneio, que foi o tento que abriu o placar da vitória por 2 a 0 sobre o Uruguai, nas oitavas de final da competição, ele acredita que não foi este, na sua opinião, o golaço maior do torneio.

Para James Rodríguez, o seu gol mais bonito na Copa aconteceu na rodada final da primeira fase, na qual fechou com outra "pintura" a goleada por 4 a 1 sobre o japoneses, na Arena Pantanal, em Cuiabá. "Pessoalmente gostei mais do gol contra o Japão", revelou o astro ao receber a Chuteira de Ouro da Fifa.

No caso, o colombiano refere-se ao gol no qual deu um lindo drible no zagueiro Yoshida, deixando o japonês deitado no chão, antes de tocar por cima do goleiro Kawashima com extrema categoria. Depois disso, nas oitavas de final, ele brilhou ao fazer os dois gols da vitória sobre o Uruguai. No primeiro deles, eleito o mais bonito da Copa, o craque dominou uma bola no peito, fora da grande área, girando o corpo na direção da meta e bateu de primeira pelo alto para marcar o golaço no qual a bola ainda bateu no travessão antes de entrar.

Por meio de sua página no Twitter, James Rodríguez exibiu uma foto nesta sexta-feira com a sua Chuteira de Ouro nas mãos e ressaltou: "Seis gols na Copa do Mundo. Um sonho que virou realidade. Obrigado por todo o seu apoio".

O jogador, que depois seria eliminado pelo Brasil junto com a seleção colombiana nas quartas de final da Copa, também ressaltou a representatividade que o prêmio tem para o seu país. "Isso é também uma fonte de alegria para a minha Colômbia, porque eles (colombianos) me deram muita força para que eu pudesse ganhar o prêmio", disse o jogador, em entrevista à agência Associated Press nesta sexta.

Contra o Brasil, James Rodríguez fez, cobrando pênalti, o único gol da Colômbia na derrota por 2 a 1 no Castelão, em Fortaleza. E, mesmo com a eliminação, o colombiano ainda lembra com saudade daquela partida, que acabou sendo decisiva para que ele terminasse como artilheiro isolado do Mundial. O alemão Thomas Müller, com cinco gols, foi o segundo maior goleador do torneio.

"Todos são gols que ficam na memória. Acho que deixei uma marca com o gol (eleito o mais bonito da Copa). Isso nos fez passar às quartas de final e isso também foi histórico", destacou, se referindo ao fato de que pela primeira vez a Colômbia ficou entre as oito melhores seleções de um Mundial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.