Reuters
Reuters

James Rodríguez tem a missão de reerguer a Colômbia após revés

Meia ficou devendo futebol e perdeu para a Venezuela

ALMIR LEITE E GONÇALO JÚNIOR, ENVIADOS ESPECIAIS A SANTIAGO, O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2015 | 06h58

Um ano depois de brilhar na Copa do Mundo e ser o artilheiro com seis gols (um deles, contra o Uruguai, recebeu o prêmio de mais bonito de 2014), o meia James Rodríguez tem um novo desafio com a seleção colombiana. A derrota para a Venezuela colocou sua equipe em uma situação delicada, precisando da vitória no jogo de hoje – a Colômbia venceu o Brasil apenas uma vez em nove confrontos na Copa América.

James precisa resgatar o prestígio de uma seleção que desembarcou ao Chile apontada como uma das favoritas a chegar à final da Copa América.  Seu desempenho na estreia esteve bem distante das boas jornadas que o transformaram em ídolo do Real Madrid na temporada. 

Sem iniciativa ou energia para fugir da forte marcação, ele criou pouco e deu apenas um chute ao gol na derrota – ao todo, foram cinco tentativas. Seus companheiros de frente – Bacca e Falcao García – também decepcionaram. 

“A derrota para a Venezuela nos deixa atentos e serve para manter a união, não apenas quando ganhamos mas também quando perdemos”, disse o meia, em entrevista coletiva na última segunda-feira. 

James acredita que a Colômbia terá mais facilidades no jogo contra o Brasil porque encontrará uma equipe com jogadores ofensivos, que ataca e permite que o rival também avance. Contra o time venezuelano, a Colômbia encontrou uma retranca bem armada e não conseguiu furar o bloqueio. 

ELOGIOS

Por outro lado, James espera dificuldades e elogia Neymar. “Ele está num nível incrível, mas os brasileiros também terão de jogar bem para ganharem. Queremos chegar à próxima fase.”  A admiração é quase recíproca. O goleiro Jefferson afirma que a comissão técnica vai rever os jogos da Colômbia e que o time vai precisar de cuidados especiais. “Nós conhecemos bem a Colômbia. Tem o James Rodríguez, o Falcao García, são grandes jogadores”, disse o arqueiro. 


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.