Benjamin Cremel/AFP
Benjamin Cremel/AFP

Japão encara estreia diante da Colômbia como revanche da Copa de 2014

Na primeira fase do Mundial do Brasil, seleção sul-americana derrotou a asiática por 4 a 1 e eliminou o adversário

Estadão Conteúdo

17 Junho 2018 | 21h07

O experiente lateral-esquerdo Yuto Nagatomo, do Japão, encara o duelo contra a Colômbia, nesta terça-feira, às 9 horas (de Brasília), em Saransk, pelo Grupo H da Copa do Mundo da Rússia, como uma revanche diante dos sul-americanos, que venceram os japoneses por 4 a 1 na primeira fase do Mundial de 2014, no Brasil, e os mandaram para casa mais cedo.

+ Atacante Yoshinori prevê jogo tenso e pede Japão criativo diante da Colômbia

+ Carlos Sánchez evita colocar Colômbia entre favoritas do Grupo H: 'Seria um erro'

+ RELEMBRE: Colômbia goleia o Japão e pega o Uruguai nas oitavas de final

"Quatro anos atrás, logo após a partida que perdemos para a Colômbia, eu estava sentado em campo. Então um jogador colombiano veio até mim para me animar. Essa é uma das amargas lembranças que eu tenho daquela partida. Eu nunca vou querer repetir esse tipo de momento. Vamos em busca de um resultado totalmente oposto desta vez", afirmou o jogador do Galatasaray, da Turquia, que treina com a seleção em Kazan.

O ala, de 31 anos, com sete partidas de Copa no currículo - também esteve em 2010, na África do Sul -, elogiou o adversário e observou que a vitória será uma missão difícil. "A Colômbia tem muitos jogadores talentosos e jogadores altos, então eu vejo que não será fácil. Eles jogam compactados, não deixam brechas para que possamos atacar e eles marcam muito bem", analisou o camisa 5.

Já o meia Genki Haraguchi aposta no jogo coletivo japonês para superar os colombianos. "Nós não temos um jogador como Cristiano Ronaldo, então os esforços feitos por cada jogador precisam ser melhores que os dos oponentes", disse o jogador do Fortuna Dusseldorf, da Alemanha.

 

Para o zagueiro Tomoaki Makino, do Urawa Reds, de seu país, uma vitória na estreia aumenta as chances de classificação às oitavas de final, em um grupo equilibrado. "O primeiro jogo será difícil e nós precisamos nos esforçar para ganhar pontos. Mas se conseguirmos ganhar, terá um grande impacto nas segunda e terceira partidas. Pela minha experiência em outros torneios, estou ciente da importância do primeiro jogo."

Depois da Colômbia, o Japão encara o Senegal, no dia 24, em Ecaterimburgo. E fecha a primeira fase do Mundial contra a Polônia, no dia 28, em Volgogrado.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.