Japão não deve tirar Tite do São Caetano

O casamento quase perfeito entre o São Caetano e o técnico Tite sofreu um pequeno abalo justamente no momento de festa, após o time conquistar a tão sonhada vaga na Taça Libertadores de 2004. Depois da histórica goleada de 5 a 0 sobre o Internacional, sábado, no estádio Anacleto Campanella, visivelmente emocionado o técnico demonstrou inteira disposição de permanecer no clube. Mas o presidente Nairo Ferreira, em tom ríspido para a ocasião festiva, disse que o Tite tinha uma proposta do Japão e que "se ele não ficar o São Caetano vai procurar outro profissional". O dirigente confirmou que já teve dois contatos com o técnico a respeito da renovação, uma vez que seu compromisso acaba dia 31 de dezembro. "Já conversamos. Ele (Tite) já falou com a família que diz aceitar mudar para a cidade". Mas o cartola ressaltou o fato do técnico ter recebido há alguns dias uma proposta para se transferir ao futebol japonês. Sem papas na língua, o dirigente confirmou que alguns jogadores serão substituídos no elenco, mas os que virão "serão todos de alto nível", porque o São Caetano disputará competições importantes na próxima temporada: o Campeonato Paulista, Copa do Brasil, Taça Libertadores e Campeonato Brasileiro. À parte e desconhecendo o discurso nada político do dirigente que é pré-candidato à Prefeitura Municipal da cidade, Tite descartou a possibilidade de se transferir para o Japão, rasgou elogios ao clube e não escondeu sua vontade de continuar no futebol paulista. "A prioridade agora é acertar a renovação de contrato, motivado pela vaga na Libertadores", disse Tite, lembrando que assumiu o time no meio do campeonato e que seria preciso "ter cabelo no peito e muita coragem" para assumir o compromisso de levar o time à Libertadores, o principal objetivo da diretoria. Segundo ele, "os jogadores entenderam bem sua proposta, absorvendo bem o jeito de trabalhar da comissão técnica". Para Tite, a classificação foi "uma gota no copo d´água, que estava cheio pelo trabalho realizado durante toda a temporada". Disse também que foi muito bem acolhido "na família São Caetano" e que não vê a hora de iniciar o trabalho visando a próxima temporada. Caso haja acordo entre a direção e o técnico, ambos vão disputar a terceira Taça Libertadores juntos. O São Caetano nas temporadas 2001 e 2002, enquanto Tite nas edições 2002 e 2003 dirigindo o Grêmio. O São Caetano encerrou sua participação no Campeonato Brasileiro em quarto lugar, com 74 pontos, com a melhor defesa (37 gols) e superando o rótulo de pior ataque, após os cinco gols marcados diante dos gaúchos (53 gols). Foram 19 vitórias, 14 empates e 13 derrotas. "Nosso time foi muito equilibrado. Isso é que vale e que conta no final", finalizou Tite.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.