Japão quer a segunda vaga do grupo da seleção brasileira

Equipe quer jogar bem contra o Brasil nesta terça-feira para ir com moral para os outros confrontos

Giuliander Carpes - O Estado de S. Paulo,

29 de setembro de 2008 | 14h44

Zico é um dos maiores responsáveis pela evolução do Japão no futebol de campo. Foi dele a idéia também de desenvolver o futsal do país.Veja também:Técnico esconde escalação do Brasil no futsal Para isto, levou para o Oriente o técnico brasileiro Sérgio Sapo, em 2003. A tarefa de comandar os japoneses no seu segundo Mundial de Futsal é dele, campeão mundial pelo Brasil, como jogador, em 1992.Sapo sabe que será difícil vencer os brasileiros na estréia. O Japão nunca conseguiu isso. Mas quer incomodar. "Antes de vencermos a Copa da Ásia, em 2006, nós fizemos cinco jogos contra a seleção brasileira", lembra o treinador. "Num desses jogos a gente perdeu de um gol só. A nossa marcação melhorou muito", comenta, esperançoso.A idéia é causar dificuldades ao Brasil para ganhar moral para vencer os demais adversários da primeira fase (Ilhas Salomão, Rússia e Cuba). Assim, um sonho se tornaria realidade: ficar com a segunda vaga no grupo e avançar à segunda fase.Para conseguir o objetivo, a esperança de Sapo é Rikarudo Higa. Outro brasileiro. Sansei, seu nome de batismo é Ricardo, mas mudou devido à naturalização. O ala foi para o Japão atrás de espaço no esporte que ama, o futsal. "Financeiramente vale a pena", explica.O complicado é enfrentar a seleção do País natal. "Quando toca o hino a gente lembra da infância, vêm à cabeça imagens da família. Mas, na hora que a bola rola, a gente esquece tudo isso."E as chances de vitória? Ricardo mantém os pés no chão. "Olha, quando você tem a chance de jogar contra, já tem porcentagem de ganhar", afirma, meio cético. "O Brasil é favorito. Mas dentro dessa pequena porcentagem, temos que nos concentrar e buscarmos nos superar para tentar um resultado positivo."Brasil e Japão se enfrentam na estréia do Mundial de Futsal nesta terça-feira a partir das 10h30, em Brasília.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.