Japão tira Dinamarca e pega Paraguai

Perfeitos nas cobranças de falta e na marcação, orientais vencem por 3 a 1 em Rustemburgo

LUIZ RAATZ - estadão.com.br

24 de junho de 2010 | 17h22

Japoneses comemoram a classificação. Foto: Marco Brindicci/Reuters  

SÃO PAULO - Brilhante nas cobranças de faltas e na defesa, O Japão venceu a Dinamarca por 3 a 1 e se classificou para as oitavas de final da Copa do Mundo no segundo lugar do grupo E.  

Veja também:

blog CRÔNICA: Zico-san

mais imagens GALERIA: Dinamarca 1 x 3 Japão

especial CRONOLOGIA: Copa, dia a dia

tabela TABELA - Jogos | Classificação | Simulador  

Honda, Endo e Okazaki marcaram os gols nipônicos no Royal Bafokeng de Rustemburgo, nesta quinta-feira, 24. Tomasson descontou. É a segunda classificação da história do país e a primeira fora de seu continente. A primeira aconteceu na Copa da Ásia de 2002. Agora, a equipe enfrentará o Paraguai, primeiro do grupo F.

O Japão apostou no contra-ataque e na precisão das cobranças de falta para superar a Dinamarca. Na defesa, a dupla de zaga formada por Nakazawa e Tanaka deu um show, parando o alto ataque dinamarquês e vencendo praticamente todas pelo alto.

A Dinamarca teve mais posse de bola, mas não soube atacar bem como fez na virada contra Camarões na segunda rodada. É a primeira vez que a Dinamarca fica de fora das oitavas de final da Copa em quatro participações.

O JOGO. Precisando da vitória, a Dinamarca foi para cima do Japão. A equipe nórdica dominava a posse de bola e chegava com perigo. Os orientais se defendiam. Só agredia na bola parada.

Aos 17 minutos, Honda cobrou falta da direita, a Jabulani - sempre ela - tomou efeito, enganou Sorensen e morreu no canto da rede. Era tudo que o Japão precisava para se fechar ainda mais.

A Dinamarca respondeu aos 21 com Tomasson. O atacante recebeu um lançamento na área de Cristian Poulsen, mas chutou em cima de Kawashima.

O Japão ampliou aos 30, com outra cobrança de falta perfeita, talvez inspirada por Zico, grande responsável pela profissionalização do futebol nipônico e mestre no quesito. Desta vez, Endo bateu da meia lua, no cantinho.

Dinamarca   DINAMARCA 1
Sorensen, Jorgensen, Koldrup  (Larsen), Kjaer e S. Poulsen; C. Poulsen , Jorgensen (J. Poulsen)e Khalenberg (Eriksen); Rommedahl, Tomasson e Bendtner
Técnico: Morten Olsen
Japão   JAPÃO 3

Kawashima, Komano, Nakazawa, Tanaka e Nagatomo ; Abe, Hasebe, Endo (Inamoto), Matsui(Okazaki) e Okubo (Konno); Honda

Técnico: Takeshi Okada
Gols:  Honda aos 17 e Endo aos 30 do primeiro tempo; Tomasson aos 36 e Okazaki, aos 42 do segundo tempo

Árbitro: Jerome Damon (África do Sul)

Estádio: Royal Bafokeng, em Rustemburgo

Precisando de três gols para se classificar, Morten Olsen mexeu na armação do time. Sacou o veterano Jorgensen e mandou Jacob Poulsen a campo. A Dinamarca, no entanto, domninava a posse de bola, mas não finalizava.

Sempre perigoso na bola parada, Endo cobrou uma falta no começo do segundo tempo. Sorensen falhou e a bola bateu na trave. Morten Olsen então colocou mais um atacante. Larsen entrou no lugar do zagueiro Koldrup.

Com 9 cm a mais na média de altura que os japoneses, a Dinamarca apelou para a bola aérea. Aos 6, Bendtner, 1,93 m, ajeitou de cabeça e Tomasson dividiu com o goleiro, mas a bola foi para escanteio.

A Dinamarca voltou a assustar com um chute de Jacob Poulsen, aos 14, que Kawashima defendeu. Os zagueiros japoneses, Nakazawa e o brasileiro naturalizado Tanaka, antecipavam todas pelo alto.

Nos 15 minutos finais, a Dinamáquina foi para o tudo ou nada. Larsen mandou uma bomba no travessão. Aos 33, Agger sofreu um empurrão na área e o juiz deu pênalti.

Tomasson bateu, Kawashima defendeu, mas o dinamarquês marcou no rebote. O atacante, que vinha de lesão, sentiu a coxa. Mas Morten Olsen já tinha feito as três substituições. Faltavam dois gols para os europeus.

Aos 41, o Japão mostrou - como diz a inscrição de seu ônibus na Copa - que o 'espírito samurai não morre nunca'. Honda deu lindo drible em Rommedahl. Sem egoísmo, tocou para Okazaki como quem diz 'faz e me abraça'. O camisa nove só empurrou para o gol vazio. Era o 'ippon' japonês.

 

 

 

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.